Polí­cia

Foto: Divulgação

Após nota encaminhada pela Assessoria de Imprensa da Polícia Militar afirmando que vai apurar a ação que resultou na morte do trabalhador Everaldo Moraes de Araújo, 35 anos, o comandante da Polícia Militar do Estado, Marielton Francisco dos Santos, falou ao Conexão Tocantins sobre o assunto.

Marielton começou afirmando que lamenta a morte do trabalhador e salientou ainda que a polícia está sendo colocada como vilã neste caso. “Houve um assalto, a polícia chegou e foi recebida a tiros, todos esqueceram que tem assaltantes e colocam a polícia como vilã”, salientou.

Segundo o Comandante foram cerca de 15 policiais na ação que estão sendo acompanhados pelo serviço psicológico do comando. “Eles passaram por um momento difícil”, frisou.

O comandante reiterou que o governador Siqueira Campos (PSDB) determinou urgência na apuração dos fatos. “Foi aberto um inquérito no caso, nada vai ser encoberto”, salientou.

Com relação à questões pontuais, por exemplo, sobre a origem dos disparos o comandante frisou que aguarda o resultado o inquérito. “Se houve erro quem foi o responsável será punido. Não vamos crucificar ninguém antes de apurar”, disse.

Inquérito

Segundo Marielton, é preciso esperar o resultado do inquérito mas ainda assim garantiu que a polícia estava na operação defendendo a sociedade na busca dos assaltantes. “A polícia estava lá cumprindo o papel dela como temos feito. Ninguém fala que o número de assaltos caiu 23% nesses três meses com relação ao mesmo período do ano passado. Isso ninguém fala”, ponderou.

Outro ponto que o comandante evitou comentar pois aguarda o resultado do inquérito, é com relação às cápsulas de ponto 40 encontradas pela família da vítima. Ele salientou que tinha algumas calibre 38 também. “É só o inquérito que vai dizer”, frisou.