Polí­cia

As investigações periciais e técnicas da ação que resultou na morte do trabalhador Everaldo Morais de Araújo, 35, já começaram e devem contar inclusive com a simulação dos fatos que ocorreram na noite da sexta-feira, 1º de abril.

O delegado responsável pelo caso é Hudson Guimarães Leite da Delegacia Especializada em Investigações Criminais (Deic) e também titular do grupo de Repressão a Homicídio que aguarda o laudo pericial e ainda o exame cadavérico para apurar de onde partiu o disparo.

Caso a bala tenha sido disparada pelos assaltantes o crime será de latrocínio e se partiu das armas de algum policial será caracterizado como homicídio.

Policiais militares e testemunhas começarão a ser ouvidas nesta terça-feira, 5, inclusive a noiva da vítima que estava com ele no momento da tragédia.

Está de posse da polícia ainda as cápsulas encontradas pela família da vítima na tarde deste domingo, 4.

As investigações serão acompanhadas pelo Centro de Direitos Humanos de Palmas e ainda pela Comissão da Ordem dos Advogados do Brasil , seccional do Tocantins.

Segundo o comandante geral da PM, Marielton Francisco dos Santos, nada ficará encoberto no caso e os culpados serão responsabilizados pelo ato.

O governo estadual pagou as despesas do funeral da vítima e determinou agilidade na apuração dos fatos.