Estado

Foto: Divulgação

A doação de terrenos do Estado para a construção de casas populares foi o principal ponto de pauta de uma reunião realizada na manhã desta quarta-feira, 15, na Sehab - Secretaria de Habitação e Desenvolvimento Urbano, entre o deputado estadual Zé Roberto, o secretário Igor Avelino, e representantes dos movimentos sociais de moradia, MNLM – Movimento Nacional de Luta pela Moradia e UNMP – União Nacional por Moradia Popular.

O deputado Zé Roberto tem intermediado as solicitações dos movimentos sociais junto ao Governo do Estado. “Desde o início de nosso mandato temos acompanhado as reivindicações dos movimentos sociais junto ao Governo e agora vamos acompanhar mais de perto e cobrar a resolução de todas estas questões”, ressaltou.

De acordo com o secretário da Sehab, Igor Avelino, uma ação discriminatória que tramita na justiça a cerca de 20 anos é um dos grandes entraves para a doação destes terrenos. “O Governo do Estado não pode doar nenhuma área devido a esta ação judicial”.

Uma das áreas solicitadas ao Governo do Estado pela UNMP - União Nacional por Moradia Popular, estão localizadas na área desta ação discriminatória. “Apresentamos o projeto dentro da área do Bela Vista I e Bela Vista II, mas devido a esta área está dentro da ação discriminatória. O projeto já foi aprovado pela Caixa Econômica Federal, mas sem a doação dos terrenos não tem como iniciarmos o empreendimento, que é a construção de 300 casas populares”, informou Adilson Andrade representante da entidade no Tocantins.

A mesma situação acontece com o Movimento Nacional de Luta pela Moradia. “Já estamos com a parte de engenharia, arquitetura, social toda pronta falta apenas o terreno para a Caixa liberar os recursos”, disse o representante da organização, Bismarque do Movimento. Com a doação do terreno serão construídas 500 casas.

O secretário da Sehab, Igor Avelino, informou que existem duas áreas solicitadas pelo MNLM que necessitam apenas da aprovação do Governador Siqueira Campos. “Os processos já estão prontos e após o despacho do Governador, será enviado para a Casa Civil e depois para a Assembléia para que os deputados aprovem a doação dos terrenos”.

Fonte: Assessoria de Imprensa/José Roberto Forzani