Polí­tica

Foto: Divulgação

A vice-prefeita de Palmas Edna Agnolin (PDT) participou na manhã desta quinta-feira, 16, do lançamento da segunda fase do programa “Minha Casa, Minha Vida". O evento aconteceu no Salão Nobre do Palácio do Planalto e contou com a presença da presidente do país Dilma Roussef (PT).

Ao lado do prefeito Raul Fillho (PT) e do deputado federal Ângelo Agnolin (PDT), Edna afirmou que o projeto traz condições favoráveis para a qualidade de vida dos palmenses. “Só em Palmas já beneficiamos mais de 500 famílias. Um investimento na casa dos R$ 20 milhões” destacou.

Edna salientou a importância da união entre os governos municipal e federal para que seja assegurada, sob prioridade, a qualidade de vida da população. “A casa própria é o sonho de qualquer família. São programas como esse que oferecem a oportunidade para que as famílias possam ter onde criar os filhos com tranqüilidade e segurança” comentou.

A vice-prefeita considerou que o governo precisa dar subsídios, para garantir o que ela acredita ser um incentivo para o desenvolvimento humano das regiões. “Quem tem uma casa para morar, sente maior segurança financeira e de futuro; assegura, inclusive, o impulso para que as pessoas possam subir na vida” diz a vice.

Ainda conforme a vice-prefeita, um dos maiores avanços dessa nova fase é a concessão do beneficio às mulheres, independente do seu estado civil. “Um grande passo já que até então, elas necessitavam da assinatura do marido, o que dificultava o seu acesso ao programa” disse Edna.

A segunda fase do programa prevê, entre outras mudanças, a ampliação das faixas de renda familiar urbana e rural, o que proporcionará inclusão de um maior número de beneficiados, priorizando as famílias de menor renda.

Nova fase

O programa “Minha Casa, Minha Vida”, nessa nova fase, pretende contratar dois milhões de unidades habitacionais e investir R5,7 bilhões de 2011 a 2014 sendo que R$ 72,6 bilhões são para subsídio e R$ 53,1 bilhões, para financiamento. A meta de atendimento, para famílias que ganham até R$ 1.600,00 por mês nas áreas urbanas e até R$ 15 mil anuais na área rural subiu de 40% para 60% Assim,1,2 milhão de moradias será destinada a essas famílias.

Para aquelas famílias com renda de até R$ 3.100,00 na área urbana e R$ 30 mil na área rural, serão 600 mil habitações (30%). E para as que possuem renda até R$ 5.000,00 mensais na área urbana e até R$ 60 mil anuais na área rural, serão 200 mil moradias (10%).

Por: Redação

Tags: Edna Agnolin, Minha Casa, Minha Vida