Polí­cia

Foto: Divulgação

Na última segunda-feira, 31, cerca de 40 Delegados de Polícia, dentre eles o Delegado Chefe da Polícia Civil, Reginaldo de Menezes Brito, o secretário Executivo da SSP/TO, Fernando Ubaldo, e o presidente do Sindicado dos Delegados de Polícia Civil (SINDEPOL, Deusiano Pereira de Amorim, visitaram o secretário da Justiça e dos Direitos Humanos, Djalma Leandro, para hipotecarem irrestrito apoio na condução da pasta.

Na ocasião, o secretário Djalma Leandro agradeceu a visita e externou os trabalhos que estão sendo desenvolvidos na SEJUDH/TO, principalmente no aspecto da reestruturação do sistema penitenciário. O secretário explanou, ainda, a operacionalização efetivada pelo Governo do Tocantins para reaver verbas federais recebidas em gestões passadas para a construção de unidades prisionais no Estado e que foram extornadas aos cofres da União por falta de aplicação. Foi possível resgatar o valor de R$ 22.836.845,16 para construção da Cadeia Pública Metropolitana de Palmas/TO, com capacidade para 533 detentos, cujo início das obras tem previsão para os primeiros meses de 2012. Além disso, há grande possibilidade da liberação, no próximo ano, de recursos na órbita de R$ 16.434.004,41 para a edificação de mais uma penitenciária em Araguaina/TO.

Após explanação técnica, vários delegados fizeram uso da palavra para homenagear a postura do secretário à frente da pasta. Reginaldo Brito enfatizou que a classe reconhece o prestígio que o governador Siqueira Campos concedeu à Polícia Civil, pois confiou a árdua missão de reestruturar o sistema penitenciário a um delegado de carreira.

Fernando Ubaldo, secretário Executivo da SSP/TO, fez questão de frisar a conduta que Djalma Leandro sempre demonstrou ter e que sua admiração vem desde à época em que Leandro era diretor da Academia da Polícia Civil.

O presidente do Sindepol, Deusiano Amorim, ao fazer uso da palavra, garantiu que o apoio aos trabalhos do secretário Djalma Leandro é unânime na classe de delegados e que o atual gestor da SEJUDH/TO pode contar irrestritamente com o auxílio de todos. Amorim enfatizou ser sabedor das dificuldades por que atravessa o sistema penitenciário, porém crê no choque de gestão que atualmente vem sendo implementado pelo atual corpo diretivo e tem convicção de que a médio prazo o quadro se reverterá por completo. (Ascom SEJUDH)