Polí­cia

Foto: Divulgação

A música poderá ser decisiva para o futuro de centenas de crianças no Tocantins já no primeiro semestre do próximo ano. A Polícia Militar do Tocantins, por meio da Banda de Música, acerta os últimos detalhes para executar o projeto “Menino Tocador”, uma iniciativa de cunho social que vai resgatar crianças de rua - de 12 a 17 anos – para ensinar o ofício da música.

O objetivo é criar bandas mirins no Estado. Para isso, cada unidade que hoje conta com Banda de Música (Palmas, Araguaína, Gurupi e Arraias) ficará responsável pela região na qual está circunscrita geograficamente para atrair essas crianças e adolescentes. Antes de entrar para o projeto, os candidatos a músicos farão um teste vocacional, com ênfase em afinação e ritmo, segundo o tenente Edson Monteiro da Silva, clarinetista e maestro da Banda de Música de Palmas (QCG) desde 2001.

À primeira vista, o ambiente de um quartel militar pode causar estranheza, mas no meio desse cenário há algo encantador e que muita gente ainda desconhece: a Música. A Polícia Militar do Tocantins tem em sua história um roteiro interessante quando se trata desse elemento, algo que a acompanha desde os primeiros passos do Estado, nos idos de 1989. Apesar das dificuldades – seja de recursos, da necessidade de novos músicos e de novos instrumentos (a última aquisição foi feita em 2002), a Banda de Música da PMTO sobrevive bem sob o talento de seus integrantes, do apoio governamental e, principalmente, da recepção e dos aplausos de seu público.

O trabalho dos músicos da PM não se restringe apenas às tocatas, às apresentações em órgãos públicos, às recepções de autoridades nacionais e internacionais e às já tradicionais cantatas de natal em finais de ano, realizadas como numa verdadeira romaria. Vai além. A determinação do Comando Geral é que o trabalho desses músicos rompa os muros dos quartéis e toque a sociedade.

“Esse é um projeto que estamos tratando com muita atenção. É um anseio primeiramente do próprio governador Siqueira Campos. E utilizar a música para desenvolver um projeto social dessa natureza só engrandece a Corporação. 2012 será um ano decisivo para levar adiante essa iniciativa”, adiantou o coronel Marielton Francisco dos Santos, comandante geral da PMTO.

O “Menino Tocador” vai ser realizado em parceria com as prefeituras, que cederão espaços físicos com estruturas montadas, inclusive com instrumentos, e a PMTO entrará com o seu pessoal para os ensinamentos. O tenente Monteiro adianta que o projeto está aberto a novas parcerias.

Unidades

Atualmente, a Polícia Militar do Tocantins conta com Bandas Musicais em Palmas (QCG), Araguaína (2º BPM), Gurupi (4º BPM) e Arraias (1ª CIPM), com um efetivo de 130 militares, 107 destes em atividade, distribuídos nestas cidades. O tenente Monteiro reforça que há uma necessidade de se renovar a estrutura instrumental, mas que o Comando já está tomando as providências nesse sentido. “Como linguagem universal, a música é a mais fácil de ser compreendida e nós temos o compromisso de elevar a cultura de nosso Estado”, observa o maestro. Hoje, são 45 músicos na Banda em Palmas.

A subtenente PM Welderjane Monteiro Dourado, 33 anos, saxofonista, é uma das duas únicas mulheres que compõem a Banda de Música na capital e se diz muito satisfeita com o seu trabalho. “A música é tudo em minha vida, tem uma importância muito grande, desde os 10 anos de idade que convivo com ela. Em casa, meu pai sempre me incentivou, eu cresci ouvindo meu pai tocar”, disse a militar. Ela é de uma família de oito irmãos músicos e seu pai, hoje, é maestro em Imperatriz (MA). Dos oito irmãos, cinco estão atualmente na Banda da PM em Palmas.

A satisfação pelo ofício da música também é demonstrada pelo subtenente PM Milton Caetano, 27 anos, um pernambucano de Belo Jardim que chegou ao Tocantins em 2002. Desde 2004 está na Banda da PM na capital. Seu instrumento é o trombone de vara. “Sempre gostei de música. Hoje eu me sinto realizado; é claro que também temos nossas dificuldades, mas nada que não possa ser resolvido com o nosso trabalho”, comenta Caetano, que tem em seu pai – músico - sua maior referência. Ele ainda destaca dois maestros que, segundo ele, foram fundamentais para a sua formação musical - os pernambucanos João Vieira e Ulisses Lima.

A Banda de Música de Palmas atende a pedidos para apresentações, sem custo algum. O repertório, segundo o maestro Monteiro, é diversificado, sobressaindo a Música Popular Brasileira.

Histórico

A Banda de Música da PMTO foi criada no ano de 1989 pelo então comandante geral cel QOPM Osvaldo Mota, que designou, no inicio daquele ano, o então capitão QOPM Antonio de Jesus Tavares e o 3º sargento QPEPM Manoel Conceição Pereira de Abreu para irem à região nordeste - especificamente às cidades de Teresina (PI) e Fortaleza (CE), recrutar músicos para formação da Banda de Musica da instituição.

No dia 25 de fevereiro de 1989 os militares retornam ao Estado com aproximadamente 80 músicos, os quais são instalados na sede da então 3ª CIPM, na cidade de Guaraí (TO). Posteriormente, juntaram-se ao grupo outros músicos vindos dos Estados de Pernambuco, Maranhão e Rio de Janeiro. A inclusão dos músicos na PMTO se deu a partir do dia 22 de fevereiro de 1989, data que ficou como sendo a da criação da Banda de Música.

No início de 1990 a Banda foi dividida em três frações: 4º BPM, na cidade de Gurupi (1°/01/1990); 2º BPM, em Araguaína (04/01/1990); e no QCG/Palmas, sendo que a fração da capital permaneceu em Guaraí até o dia 18 de outubro de 1992. Em 09 de junho de 1993 foi criada mais uma fração da Banda de Música na sede da 1ª CIPM, em Arraias (TO). O primeiro regente e mestre foi o 2º tenente Antonio Mendes dos Santos, pertencente à Polícia Militar do Estado do Piauí, e contramestre o 3º sargento Abreu. (Fonte histórica: Major Ferreira, subcomandante do QCG)