Estado

Foto: Divulgação

Em outubro de 2011, o Aeroporto de Araguaina teve suas operações suspensas por razões de segurança e devido às reformas em sua pista de pousos e decolagens. O aeroporto deveria ter sido liberado no dia 22 de janeiro deste ano, mas a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) reprovou as adequações com base no relatório técnico que avaliou problemas de drenagem na pista e nas condições estruturais, determinando novas reformas na pista de pouso.

Nesta quarta-feira, 21, o deputado federal César Halum (PSD/TO), junto ao secretário de Infra-estrutura do Tocantins, Alexandre Ubaldo, senador Vicentinho Alves (PR-TO), secretário de Indústria e Comercio de Araguaina, Nahim Halum, e o operador aeroportuário, José Antonio (Dragão), estiveram em audiência com o Superintendente de Infra-estrutura Aeroportuária, Fábio Faizi Rabbani, e demais técnicos de segurança da Anac do Rio de Janeiro, por teleconferência.

O superintendente da Anac, apontou às autoridades que o Aeroporto de Araguaina atendeu 90% das exigências das normas, sendo que os outros 10% poderiam ser avaliados com alguma restrição para os voos e que uma das opções para agilizar a liberação, seria a formulação, por parte da Seinfra, de um pedido de isenção de requisito, solicitando a reabertura do aeroporto, e estabelecendo um prazo para a conclusão dos reparos se adaptando às novas normas da Anac. – “É necessário muita prudência, pois, estamos lidando com a segurança dos usuários do aeroporto. Uma das saídas seria um pedido de isenção de requisito, onde o Governo e o operador aeroportuário emitiria essa solicitação justificando a necessidade de reabertura do aeroporto e incluindo o prazo para a resolução dos problemas”, disse Rabbani (Anac).

O deputado federal César Halum, que pela terceira vez esteve na Anac para obter informações sobre a liberação do aeroporto, afirmou que nesta fase a responsabilidade é do Governo do Estado e da Prefeitura Municipal em emitir os documentos necessários. - “Para a liberação da pista precisamos nos adequar a Anac. Araguaina é o principal centro econômico do Estado, polo universitário e de saúde, ou seja, depende muito de um aeroporto em pleno funcionamento. Já são cinco meses de paralisação, e por mais que seja temporária, causa grandes prejuízos à competitividade comercial do Município”, disse.

O secretário de Indústria e Comercio de Araguaina, Nahim Halum, cuja pasta ficou responsável pelo acompanhamento por parte do Município, afirmou que este não é o momento de indicar responsáveis e sim de unir forças para que o quanto antes o aeroporto entre em operação. - “Viemos à Brasília no intuito de somar forças junto ao Governo do Estado e o Governo Federal, e devemos justificativas a população araguainense, pois somos os representantes diretos deles”, disse.

A Anac aguarda o envio do pedido de isenção de requisito e garantiu analisar em regime de urgência urgentíssimo. (Assessoria de Imprensa)