Polí­tica

Foto: Divulgação

Nesta entrevista, mais uma da série “Especial Palmas 23 anos”, com pré-candidatos à Prefeitura de Palmas nas eleições deste ano, a vice-prefeita e candidata à prefeita, Edna Agnolin (PDT) afirma ser a favor da criação de uma política urbana capaz de ocupar os espaços vazios da capital.

Edna afirma também que na área do transporte da capital, que tem gerado polêmica atualmente, encontrou no sistema BRT (Bus Rapid Transit), um modelo de transporte que atende a comunidade com mais eficiência, rapidez e conforto e que por isto solicitou ao deputado federal Angelo Agnolin prioridade na destinação de recursos para o transporte de Palmas.

A pré-candidata ainda afirma que pretende transformar Palmas numa referência regional em saúde, com mais médicos especialistas, maior número de exames de alta complexidade e ainda implantar a Clínica da Mulher e a Clínica do Idoso.

Com relação à atual gestão do prefeito Raul Filho (PT), Edna avalia que Palmas está vivendo um momento singular com pesquisas que apontam que mais de 80% da população está satisfeita em morar aqui. Segundo ela a atual gestão teve avanços com destaque para educação, com as Escolas de Tempo de Integral e os CEMEIS. Ela afirma também que na área da saúde a atual gestão também teve avanços.

Confira abaixo a entrevista na íntegra.

Conexão Tocantins – A prefeitura de Palmas tem divulgado que a cidade é uma das que mais cresce na região norte. Mas, em sua opinião, o que realmente faz com que a cidade cresça e se desenvolva?

Edna Agnolin - O que faz a cidade se desenvolver é a atuação conjunta entre o setor público e a iniciativa privada. O primeiro, oferecendo oportunidades e incentivos para que a iniciativa privada se fortaleça. O segundo, ofertando alternativas de trabalho e geração de renda para a população. Como toda cidade em desenvolvimento, Palmas passa por mudanças diárias, necessitando a todo tempo, de investimentos em saúde, educação, infraestrutura e profissionalização. Nossa educação é referência em todo País. Nossos alunos estão com índices significativos no IDEB e nossa saúde, apesar de diversas limitações, está caminhando. Quando o setor público investe corretamente em seus projetos, com ações práticas e planejadas, a cidade por si só se desenvolve, atraindo gente e investimentos. O resultado desse trabalho se resume em qualidade de vida da comunidade. Então, se você consegue formar um time forte onde todos compreendam que são parte importante da gestão, aí você já tem meio caminho andado. Gosto de pensar na importância das parcerias. Ninguém governa só, uma equipe afinada é fundamental.

CT – A polêmica do plano diretor é um dos assuntos que tomou conta da capital desde o ano passado. Qual seu posicionamento claro sobre possíveis alterações no plano diretor da cidade? A senhora é contra ou a favor a criação de uma área de expansão urbana?

E.A - Sou à favor da criação de uma politica urbana capaz de ocupar os espaços vazios da capital, respeitando a legislação pertinente, e principalmente, ouvindo a população. Por isso, vamos criar um Instituto de Planejamento Urbano para fazer a condução dessa política. Entendemos que Palmas precisa crescer, mas de forma organizada, planejada e sustentável.

CT – Trânsito e Transporte. Como melhorar essa área na capital?

E.A - Quanto ao Transporte, já estou trabalhando nisso. Encontrei no sistema BRT (Sigla em inglês: Bus Rapid Transit), um modelo de transporte que atende a comunidade com mais eficiência, rapidez e conforto com estações confortáveis dotadas de infraestrutura básica, com pista exclusiva para ônibus e outras vantagens. Por isso, solicitei ao deputado federal (Angelo) Agnolin prioridade na destinação de recursos para o transporte de Palmas.Já conseguimos R$ 25 milhões que está consignado no orçamento da União de 2012 para a fase inicial de implantação deste sistema que terá investimento final de R$ 80 milhões. No que se refere ao trânsito, acredito que é preciso intensificar o trabalho de educação, prevenção e sinalização das vias. Além disso, é preciso solucionar a problemática do fluxo nas rotatórias. Vamos concluir a abertura de todas as (avenidas) NS’s e colocar semáforos respeitando as demandas e as necessidades de cada via.

CT - Como senhora avalia o setor de saúde na capital e a prestação de serviços por parte da prefeitura? E nos bairros mais distantes? O que em sua opinião é preciso melhorar na saúde de Palmas?

E.A - Saúde é um problema de dimensão nacional. Palmas enfrenta problemas como qualquer capital brasileira, e por isso, enfrenta dificuldades semelhantes. O fato de nós recebermos centenas e até milhares de pacientes de outros estados e municípios, dificulta ainda mais a situação. Pretendemos transformar Palmas numa referência regional em saúde, com mais médicos especialistas, maior número de exames de alta complexidade. Vamos implantar a Clínica da Mulher, a Clínica do Idoso e incentivar a instalação de unidades particulares de saúde, para aumentar a rede de profissionais especialistas em nossa capital. O que é bom para a saúde, faz bem a comunidade. Os serviços de saúde podem impulsionar as demais atividades do setor produtivo, contribuindo assim, para o desenvolvimento socioeconômico.

CT - As escolas de tempo integral são o mote da atual administração na área da educação. Quais outros projetos na área, a senhora, caso se eleja prefeita, pretende desenvolver para a educação?

E.A - A Educação de qualidade aliada a ciência e a tecnologia será vista como prioridade, por que entendo que esta é a base de construção de uma sociedade pronta para o futuro. A educação fundamental, que compete a prefeitura, é reconhecidamente de excelência em Palmas. Vamos aperfeiçoá-la ainda mais, construindo mais Escolas de Tempo Integral, CEMEIS e investindo cada vez mais nos profissionais da educação. Quanto ao ensino superior, através do convênio que temos com a Faculdade Anhanguera (com curso superior a R$ 99,00) vamos ampliar de um para cinco polos.

CT - Na geração de emprego e renda, quais são seus planos como futura gestora da cidade para melhorar essa área, caso seja eleita prefeita?

E.A - A geração de emprego e renda deve se sustentar através do crescimento das atividades privadas. Os palmenses não devem ficar na dependência do emprego público. Por exemplo, a cidade tem um potencial turístico extraordinário é preciso fomentá-lo. Nesse sentido, vamos incentivar a associação do turismo de lazer com o turismo de eventos. Temos uma localização geográfica estratégica e logística privilegiada, aeroporto internacional, Ferrovia Norte Sul e a malha-viária, que nos permite instalar empreendimentos importantíssimos de distribuição de mercadorias, principalmente para regiões norte, nordeste e parte do centro-oeste. Vemos com bons olhos a implementação de projetos ligados a tecnologia da informação. Sendo Palmas, local privilegiado para incentivar esse tipo de atividade. O polo de confecções já é uma realidade e receberá, em breve, um novo impulso com a distribuição de mil fabricas domiciliares de confecções. Sabemos da importância e da necessidade da qualificação profissional para garantir que os empregos gerados aqui sejam ocupados pelos palmenses. Do mesmo modo facilitando a vida do empresário que precisa de mão de obra qualificada. Além disso, pretendemos oferecer incentivos fiscais, disponibilizar áreas para instalação de empreendimentos e reduzir a burocracia, como forma de atrair novas empresas.

CT – Quais obras de infraestrutura a senhora pretende construir na sua gestão?

E.A - No quesito infraestrutura, vamos asfaltar todas as áreas regularizadas de Palmas e recuperar os asfaltos danificados da cidade, investindo em drenagem pluvial, em mobilidade e acessibilidade urbana. Concentraremos recursos e energia na construção de um grande número de casas populares, de parques de uso múltiplo nas regiões Norte e Sul e implementaremos a revitalização do centro comercial de Palmas. Vamos ainda dotar nossas praias de uma excelente infraestrutura interna asfaltando também suas vias de acesso. Na saúde, além das duas UPA’S e das dezessete novas unidades de saúde que já começaram a ser entregues, vou implantar as Clínicas da Mulher e do Idoso.

CT – Cultura e Turismo. Como alavancar mais estes setores na mais nova capital do país?

E.A - Vamos implantar a sexta cultural, incentivar o turismo de eventos religiosos, a prática de esportes náuticos, radicais, de pesca esportiva, eventos nas praias, entre outros. Quanto ao carnaval tradicional e fora de época, o município participará oferecendo infraestrutura, ficando a cargo da iniciativa privada, o investimento em grandes shows. Também iremos dar atenção as festas juninas que já fazem parte da nossa cultura regional.

CT – Quais serão suas primeiras ações como gestora caso seja eleita em Palmas?

E.A - Vamos trabalhar diuturnamente para retribuir a confiança que os palmenses depositarem em mim nas urnas. Criarei uma Secretaria de Projetos e Convênios para viabilizar a captação de recursos para a nossa capital. Vamos instituir prazo limite para pagamento do município para fornecedores e, implantar a Bolsa Família municipal. Quanto aos restaurantes comunitários vamos oferecer café da manhã a R,50, e criar o Programa Leite é Vida beneficiando crianças e idosos.Vamos implantar ainda o Programa Motorista Legal, criando uma linha de crédito, via Banco do Povo, para financiar a carteira de habilitação.

CT - Como a senhora avalia nas principais áreas a atual gestão do prefeito Raul Filho? O que precisa mudar na sua opinião?

Estamos vivendo um momento singular da história de Palmas. Todas as pesquisas apontam que mais de 80% da população está satisfeita em morar aqui. A gestão teve avanços com destaque para educação, com as Escolas de Tempo de Integral e os CEMEIS. Na saúde, a gestão também teve avanços. E a entrega das 17 novas Unidades de Saúde e as duas UPAS, vão garantir a melhoria significativa nos atendimentos. Vale ressaltar, que a politica de habitação adotada pelo município viabilizou a entrega de casas e apartamentos, também investiu em iluminação pública, entre outros. A meu ver muito foi feito, no entanto, é preciso investir ainda mais em pavimentação, bem como recuperar e manter a estrutura existente. Além disso, defendemos que é preciso vencer o desafio de realizar o grande sonho da casa própria. Tenho certeza que poderemos coordenar um conjunto de forças políticas e sociais no sentido de executar bons projetos para a nossa capital. Enfim, o povo de Palmas pode esperar uma prefeita arrojada, compromissada com a vida da nossa cidade. Pode esperar uma mãe, que sustenta e cuida dos filhos, garantindo conforto, e acima de tudo, condições de crescimento e autossuficiência. Pode esperar uma mulher que tem Deus na sua vida, fará uma gestão participativa focada na valorização da família e no tratamento igualitário em todas as esferas da sociedade. Pode esperar uma empresária, que entende e divide os problemas enfrentados por quem vive dos serviços, do comércio, da indústria e do agronegócio. Pode esperar uma gestora comprometida com o trabalho e que não medirá esforço para melhorar dia-após-dia a vida do povo palmense.