Economia

Foto: Eduardo Lobo

O Governo do Estado, através da SIC – Secretaria Estadual da Indústria e Comércio, em parceria com a Fieto – Federação das Indústrias e Fecomércio - Federação do Comércio do Tocantins, realizará o projeto “O Brasil no Tocantins”, que divulgará as potencialidades econômicas e a logística do Estado com o objetivo de atrair investidores. A proposta é que os estados de São Paulo, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito Santo também recebam etapas do projeto.

A primeira etapa do projeto será em Manaus (AM), no dia 3 de agosto, às 8h30, e conta com o apoio da Fieam - Federação das Indústrias do Estado do Amazonas e da Fecom – Federação do Comércio do Amazonas, Suframa - Superintendência da Zona Franca de Manaus, Governo do Estado do Amazonas, através da Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. O Ecoporto de Praia Norte também participará do evento.

De acordo com o secretário da Indústria e Comércio, Paulo Massuia, as duas federações se interessaram muito pelo projeto e observaram que a posição estratégica do Tocantins é essencial tanto para a logística de distribuição de produtos do Pim – Pólo Industrial de Manaus quanto para a chegada de insumos no Amazonas. “Com a hidrovia do rio Tocantins e o Ecoporto de Praia Norte teremos uma redução de cerca de 30% do frete de entrega do produto no Sul e Sudeste do Brasil e dos insumos que saem dessas regiões para Manaus através da Ferrovia Norte Sul e do Ecoporto. Isso sem considerar que a FNS possibilitará o double stack.”

Massuia destaca que a hidrovia do rio Tocantins e a Ferrovia são de interesse de toda a região Norte, vão beneficiar diretamente o Pim e trazem ganhos ao País. “O Amazonas tem muito interesse na hidrovia porque vai reduzir o custo de transporte da entrega dos produtos da Zona Franca de Manaus que tem alto valor agregado, como eletroeletrônicos e motocicletas. Também haverá redução nos custos da importação dos insumos necessários a produção, como por exemplo, os pneus de motocicletas, que vem do Sul e Sudeste, além de agregar mais segurança às cargas de alto valor”.

O mercado local de Manaus também seria diretamente beneficiado pela hidrovia. “Manaus importa praticamente todo o alimento que consome e a mesma logística de distribuição de insumos industriais será usada para levar esses produtos alimentícios ao Estado, beneficiando diretamente às empresas do setor no Estado do Tocantins”, explica o secretário.

Entreposto

Já está em processo de negociação com o Governo do Estado do Amazonas a assinatura de um Termo de Compromisso para a implementação do Entreposto Fiscal do Estado do Amazonas no Tocantins, em Praia Norte. O projeto é apontado pelo secretário Paulo Massuia como essencial não só para o Estado, mas também para todo o Brasil. “A localização estratégica do Tocantins, entre Manaus e os grandes centros consumidores, bem como das regiões produtoras de insumos industriais utilizados pelas indústrias instaladas no Pim, trará grandes benefícios a empresas da Zona Franca de Manaus e outros Estados do País”.

Entre os benefícios do Entreposto, Massuia destaca que o ganho de fluxo de caixa e logístico são os maiores. “Quando uma empresa vende o produto, ao sair de Manaus o imposto deve ser recolhido. No trajeto até o Ecoporto em Praia Norte o imposto do produto fica suspenso. Essa suspensão dá um ganho de fluxo de caixa, pois os valores geralmente são altos.”

O secretário ressalta que o produto, chegando ao Entreposto, será beneficiado com o ambiente fiscal favorável. O ambiente é propiciado pelo Governo do Estado em especial com a Lei n° 2.558 publicada no Diário Oficial do Estado em 1° de março de 2012 instituindo o Prologística.

O benefício desonera gradativamente a logística, estimula atividades dependentes do setor e incentiva a criação de emprego e renda concedendo crédito presumido de até 75% para transporte nas empresas operadoras de logística. “O incentivo fiscal vai beneficiar empresas operadoras de logística e de transporte aéreo estimulando a implantação de empresas logísticas no Estado e a criação de um hub de transporte aéreo aqui”, diz Massuia.

Ecoporto

O empreendimento está programado para ser instalado em Praia Norte (TO), Norte do Estado. O projeto prevê investimentos de R$ 30 milhões, destinados à construção de piers para embarque e desembarque de produtos, galpões, acessos, trevos, pátios, controle de fiscalização, infraestrutura de alimentação, saúde, guindastes, asfaltamentos dos pátios e instalação da rede de iluminação. Este projeto também conta com o apoio do Governo do Estado do Tocantins que arcará com as obras de infraestrutura no Ecoporto.

Polo Naval

O Ecoporto de Praia Norte e o Entreposto Fiscal da Zona Franca de Manaus vão favorecer também a instalação de uma nova indústria no Tocantins, a naval. O Estado poderá criar seu próprio Pólo Naval para suprir as necessidades do Ecoporto, da Hidrovia do Tocantins e também da indústria naval de Manaus, Belém e região.