Polí­tica

Foto: Divulgação

Depois de polêmica no ano passado com relação à carga horária da médica pediatra Helbny Oliveira Frederice, filha do vice-governador João Oliveira e da prefeita Dalva Oliveira o assunto volta á tona e os vereadores da cidade continuam alegando que ela estaria recebendo sem trabalhar.

A médica Helbny Oliveira Frederice tem vínculo com o governo em 60 horas semanais, sendo 40 para o Hospital Infantil de Palmas e 20 cedidas para a Secretaria de Saúde de Presidente Kennedy. Helbny tem também um contrato assinado com a Secretaria da Saúde de Lajeado para trabalhar 08 horas semanais no valor de R$ 72 mil, conforme consta no Diário Oficial do dia 11 de abril deste ano.

Para os seis vereadores que voltaram a sustentar tal denúncia, a médica não estaria cumprindo a carga horária em Presidente Kennedy. O Conexão Tocantins entrou em contato com a secretaria de Saúde do município e a informação é que a médica atende poucas vezes no Hospital da cidade porque a carga horária é apenas de 20 horas.

“Esporadicamente sem nenhum controle ou critério ela aparece no município e atende aos sábados, não passando de um por mês, em turnos que nunca não excedem 08 horas”, alegam os vereadores na denúncia encaminhada ao Conexão Tocantins.

O secretário Fábio Coimbra contesta a informação e garantiu ao Conexão Tocantins nesta segunda-feira, 24, que a acusação tem apenas o intuito de gerar intriga política. “ Todo mês ela está vindo, só que ela atende em regime de plantão. Isso é intriga política. A população está indignada com essas informações que não procedem, alegou.

Por mês a médica teria que atender 80 horas no município, todavia este quantitativo não estaria ultrapassando 08 horas mensais, segundo os vereadores. “Ressaltamos que em Presidente Kennedy temos um Hospital e um Unidade Ambulatorial onde estão instaladas as Unidades da Família, sendo que esta última funciona de segunda a sexta em horário de expediente, sendo aberta aos sábados somente quando a médica Helbny atende no município”, informaram.