Estado

Foto: Divulgação Apagão atingiu as regiões norte e nordeste Apagão atingiu as regiões norte e nordeste

O superintendente de operações da Companhia de Energia Elétrica do Tocantins (Celtins), Erivelto Calli Louzada concedeu entrevista coletiva na qual explicou sobre o apagão pelo qual o Tocantins e região norte e nordeste passou na madrugada desta sexta-feira 26. Além dele, o presidente regional da Eletronorte, Carlos Humberto Souza Silva, também comentou sobre o incêndio que pode ter sido a causa do blackout que durou cerca de 2h em todo o Estado. 

De acordo com os profissionais, a possível causa do apagão foi um incêndio na subestação de energia na cidade de Colinas do Tocantins. Carlos Humberto salientou que no local passam linhas de transmissão que levam energia elétrica para as regiões Norte, Nordeste e Sul (através do Centro-Oeste). “Aquela subestação é importante para todo o Sistema Nacional de energia Elétrica. Ali é um polo de distribuição de concentração de linhas que distribui energia para diversas partes do Brasil”, completou.

O presidente da Eletronorte explicou, no entanto, que a empresa não possui responsabilidade pela unidade que foi incendiada nesta madrugada. Segundo explicou, pelo local passam três linhas de transmissão diferentes. “A que foi danificada é de responsabilidade da Taesa, empresa do grupo Cemig”.

Já o superintendente da Celtins explicou que até o momento não houve registros de danos a aparelhos eletrônicos no Tocantins. Segundo Louzada, os danos registrados até o momento foram apenas na unidade incendiada, em Colinas. “Até pelo horário que houve o apagão, até o momento não houve reclamação por parte dos usuários”, completou.

Ao todo, o Tocantins possui 492 mil unidades consumidoras. O superintendente de operações da Celtins frisou que o blackout afetou 100% delas. “Esta foi a primeira vez que o Tocantins passa por uma situação nestas proporções”, ponderou. Além do Tocantins, o Estado do Pará, toda a região Nordeste e o Distrito Federal foram afetados pela interrupção na distribuição de energia elétrica.

Trajeto do problema

No Tocantins, após a interrupção do fornecimento da energia, em decorrência do incêndio da subestação, os municípios foram sendo afetados gradativamente, a partir de Palmas. Tudo começou por volta da 0h14. A capital foi a primeira a ter sua energia restabelecida, por volta da 1h29, seguindo desta forma, até a cidade de Xambioá, que recuperou seu sistema elétrico por volta das 2h24.

Mudança no sistema e danos amenizados

Para evitar que um outro grande apagão afetasse todas as linhas de transmissão do Brasil, o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) modificou o sistema de distribuição. De acordo com o superintendente da Celtins, como todo o sistema é interligado, cada vez que ocorre uma falha na transmissão, a localidade é isolada até que a solução seja encontrada. “Depois do grande apagão (em 2002), O ONS modificou o sistema para evitar aumento nos problemas”, explicou.

Reunião

O ONS irá se reunir ainda na tarde desta sexta-feira, em sua sede no Rio de Janeiro, para iniciar o processo de investigação das causas do incêndio na subestação de Colinas. A Celtins foi convidada a participar da reunião, que será transmitida via vídeo conferência, para informar dados sobre o estado de conservação da subestação, horários de solução dos problemas.

Segundo informou o presidente da Eletronorte, somente a partir deste reunião é que maiores informações serão adquiridas e repassadas pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico.