Estado

Foto: Divulgação

O último dia do ano de 2012 foi de protesto e indignação para os servidores municipais das cidades de Cachoeirinha e São Bento do Tocantins. Na última segunda-feira, 31 de dezembro, os servidores protestaram pelo não recebimento dos salários de dezembro, 13º e férias. Nos dois municípios, a situação é caótica para os servidores públicos municipais. O Sindicato dos Servidores Públicos no Estado do Tocantins  vem acompanhado as mobilizações e a negociação do pagamento dos salários atrasados, nos dois municípios.

 Em Cachoeirinha, o protesto do dia 31 iniciou às 8h, com concentração dos servidores em frente à Prefeitura Municipal e logo em seguida, houve caminhada pelas principais ruas da cidade. Welton Ferreira, diretor de base do Sisepe na Regional Norte acompanhou toda a mobilização. Segundo ele, a informação é que em Cachoeirinha, todos os servidores públicos municipais estão com os salários atrasados. “Ninguém recebeu por isso os servidores estão indignados. A mobilização aqui foi organizada pelos próprios servidores e o Sisepe está apoiando porque também defende os direitos dos servidores públicos municipais”, enfatizou.

 Welton contou que os servidores fizeram uma caminhada pelas principais ruas do município, com faixas e carro de som informando à população o porquê da realização do protesto. No dia 31, também não houve expediente de trabalho em nenhum órgão público municipal.

 Antes da mobilização, o diretor do Sisepe conversou com a prefeita em exercício, Simone Alice Miranda e ela havia se comprometido em realizar o pagamento no dia 31 de dezembro.

 No entanto, até o presente momento, os servidores continuam com os salários atrasados. “O impasse continua e o problema ficou realmente para o próximo prefeito.”

 São Bento

Iniciado por volta das 10 horas, o protesto em São Bento também contou com caminhada pelas principais ruas da cidade e um dia de paralisação das atividades nos órgãos municipais. “Enquanto caminhávamos pelas ruas, a população demonstrava total apoio, inclusive nos comércios, falando que a Prefeitura também não havia pago nenhum fornecedor”, disse Welton Ferreira, que também esteve em São Bento, acompanhando o protesto.

 No caso de São Bento, alguns professores chegaram a receber os salários. “A informação que temos é que a Prefeitura pagou alguns professores, mas não foi o salário na íntegra. Soubemos de caso de professor que recebe R$ 1.800,00 e recebeu apenas R$ 300,00. É realmente uma situação caótica”, contou Welton.

No início de dezembro, em negociação com os servidores públicos e o SISEPE-TO, o Secretário de Administração do município, Paulo Batista, comprometeu-se em pagar os servidores da seguinte forma: no dia 10 de dezembro pagaria a folha do mês de novembro e no dia 28 de dezembro, pagaria o 13º salário e a folha de dezembro. “Sobre as férias, o secretário disse que não tinha como pagar”, esclareceu Welton.

 A Prefeitura cumpriu apenas parte do acordo, efetuando o pagamento somente do dia 10, referente à folha de novembro.

 O Sisepe também conversou com a prefeita em exercício, Nubelafaete Bezerra Fonseca, sobre a situação. “Ela ligou pra gente dizendo que não tinha condições de pagar. Disse que tinha entregue um documento ao prefeito que assumiria, falando sobre essa dívida com o servidor público. Mas, nós falamos com o novo prefeito e ele disse que esse documento nunca foi repassado para ele”, relatou o diretor do Sindicato.

 O Sisepe aguarda o parecer da justiça, quanto ao julgamento de uma ação impetrada pelo próprio Sindicato, sobre o caso dos servidores de São Bento. A ação pediu o bloqueio dos recursos da Prefeitura, suficientes para o pagamento dos servidores, a fim de garantir que os servidores públicos não sejam ainda mais prejudicados. (Ascom Sisepe)