Meio Ambiente

Foto: Wilson Rodrigues Corredor ecológico busca preservação de espécies nativas Corredor ecológico busca preservação de espécies nativas

Garantir a integridade dos processos ecológicos nas áreas de ligação entre unidades de conservação (UCs), permitindo o fluxo livre das espécies entre estas áreas naturais protegidas, é uma das principais intenções do Projeto Corredor Ecológico do Jalapão, que chega a sua fase final de implantação em 2013.

Nesta terça-feira, 14, está previsto a realização de uma reunião no município de Mateiros. O encontro irá reunir representantes de entidades envolvidas com o projeto dos Estados do Tocantins e da Bahia. A intenção é criar um conselho consultivo que contribua com a continuidade das ações.

O projeto é uma iniciativa do Instituto Chico Mendes (ICMBio), em cooperação técnica com a Agência Japonesa de Cooperação Internacional  (JICA). Seu desenvolvimento é realizado com o auxílio do Governo do Tocantins, através de um termo de reciprocidade assinado em 2011.

O objetivo principal é reforçar a conservação dos ecossistemas da região por meio do fortalecimento da integração entre as unidades de conservação federais e estaduais junto às comunidades do Jalapão, permitindo a elaboração de planejamento participativo para definição de estratégias e  ações necessárias para manter a transição das espécies nas áreas de proteção. “O corredor é um ferramenta de gestão ambiental que pode ser usada por um mosaico formado pelas unidades de conservação existentes na região”, explicou a assessora executiva de avaliação ambiental estratégica da Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semades), Fernanda Silva.

Todo o trabalho é desenvolvido com o auxílio de estudos técnicos que pretendem traçar a melhor área de atuação. Dentre as ações desenvolvidas, está a realização de seminários para o desenvolvimento das capacidades das equipes envolvidas. “Além disso, o projeto também prevê a realização de oficinas de educação ambiental voltadas para a comunidade através de um projeto chamado ‘Asas do Jalapão’. Essas oficinas têm como objetivo a formação de multiplicadores”, disse a assessora.

A participação da comunidade no processo de criação do Corredor Ecológico é estimulada pelas entidades que desenvolvem o projeto. A representante da Semades explicou que todas as ações são realizadas com o apoio de instituições da sociedade civil. “A sustentabilidade da produção da região é um dos pontos abordados no projeto. A comunidade tem que estar ciente que o desenvolvimento da região tem de acontecer de forma sustentável para não prejudicar o fluxo das espécies”, frisou Fernanda.

Localização

O Projeto Corredor Ecológico da Região do Jalapão ficou estabelecido em uma área que compreende 17 municípios localizados entre os Estados da Bahia, Maranhão, Piauí e Tocantins, perfazendo uma área total de 81.546,93km². O Projeto abrange nove unidades de conservação, sendo três federais, a Estação Ecológica Serra de Tocantins, o Parque Nacional Nascentes do Rio Paranaíba (PI) e a APA Serra de Tabatinga (PI); duas estaduais e uma municipal no Tocantins (Parque do Jalapão, APA do Jalapão e Monumento Natural das Corredeiras/Cânion do Rio do Sono; duas estaduais na Bahia (APA Bacia do Rio Preto e Estação Ecológica do Rio Preto); e uma Reserva Particular de Proteção Natural (RPPN) no Tocantins, a Catedral do Jalapão. (ATN)