Polí­tica

Foto: Divulgação

O presidente da Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio (CEDEIC) da Câmara dos deputados, deputado Ângelo Agnolin (PDT-TO), recebeu esta semana, em audiência, o embaixador brasileiro junto à ALADI (Associação Latino-Americana de Integração) e ao MERCOSUL, Ruy Carlos Pereira, para discutir a necessidade de uma integração nos trabalhos dos parlamentos dos países da América do Sul. O embaixador estava acompanhado do secretário do Ministério das Relações Exteriores, Leonardo Enge.

O embaixador Ruy Pereira, que também foi coordenador da equipe de apoio à candidatura brasileira à direção geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), disse que ao alcançar a marca de dois terços dos votos, computados entre os 159 países-membros da OMC, o embaixador Roberto Azevedo não apenas conquistou a vaga, mas teve reconhecida sua “excepcional qualificação”.

Depois de reconhecer a importância da eleição na OMC para o Brasil, o deputado agnolin disse que o feito revela o protagonismo brasileiro no cenário comercial internacional, uma vez que, mesmo sendo um país emergente conseguira vencer candidaturas importantes, como por exemplo, a do México.

Na oportunidade, o embaixador Ruy Pereira comunicou ao deputado Agnolin que o Itamaraty divulgou uma nota informando que o governo venezuelano havia concedido o agrément à sua indicação como embaixador brasileiro na Venezuela. Sua ida para Caracas, no entanto, ainda depende de aprovação pelo Senado brasileiro.

Na ocasião, Agnolin ressaltou a necessidade de um melhor intercâmbio entre os Parlamentos brasileiro e venezuelano. Por sua vez, o embaixador concordou com agnolin e informou que, caso seu nome seja aprovado após sabatina do Senado, gostaria de estreitar as relações entre os Parlamentos dos dois países, sobretudo as relações entre as comissões temáticas de ambas as Casas de Leis.