Campo

Foto: Márcio Di Pietro

O anúncio feito pelo governador Siqueira Campos dos primeiros procedimentos para a construção de barragem de acumulação de água e estações elevatórias do nível da água no leito dos rios Pium e Riozinho, no sábado, 8, foi bem recebido pelos produtores da região.

A primeira etapa da obra, através do Prodoeste, com recursos de U$ 99 milhões do BID, já dispõe do projeto básico e até o fim do ano deve ter concluído os estudos em torno do projeto executivo.

Produtores otimistas

De acordo com o produtor Celso Barbosa, é preciso suprir o abastecimento de água para a população e as atividades produtivas e comerciais. Para ele, com a barragem o Tocantins pode se tornar um celeiro do setor agropecuário. “A tecnologia tem ajudado muito para que se possa chegar a esse objetivo”, comentou.

Também tradicional produtor, e que está abrindo mão de parte da área de sua propriedade - a Fazenda Canastra, João Trindade mostra convicção no empreendimento para irrigar as várzeas do Vale do Araguaia objetivando irrigação para múltiplas funções de plantios. Segundo ele, o projeto vai trazer “ganhos incalculáveis no futuro” .

Empregos e renda

Outro produtor do município e que há pelo menos 10 anos se ocupa em observar atentamente a diminuição progressiva dos rios e demais mananciais da região sudoeste do Estado, é Rodolfo Barros. Ele destaca que a preocupação do Governo do Estado em realizar o projeto de barramento para garantir água aos produtores e à população em Pium, Lagoa da Confusão e Cristalândia é fundamental e “será responsável pela garantia de produção, emprego e renda para muita gente”.

Para o prefeito de Dueré, um dos 14 municípios a serem contemplados com os projetos do BID no Prodoeste, “estamos bastante otimistas, e os nossos olhos estão esperançosos com a participação do Governador num projeto que vemos como sério e que representará mais empregos e melhores condições de vida para nossa região e o Estado”, destacou Nélio Araújo.  (ATN)