Polí­tica

Foto: Divulgação

Após as declarações do secretário de Relações Institucionais, Eduardo Siqueira Campos de que dois peemedebistas, no caso os deputados Iderval Silva e Vilmar do Detran seriam aliados da base do governo na Assembleia Legislativa o presidente regional do partido, deputado federal Junior Coimbra negou veemente ao Conexão Tocantins tal possibilidade. Segundo ele os parlamentares citados apenas uma vez ou outra ajudaram o governo em algumas votações.

Ele insiste em desqualificar rumores de que seria próximo ao atual governo. “As pessoas estão querendo colocar palavras na boca da gente  estamos dizendo que não é  e alguns insistem que é. O que fizemos foi apenas uma parceria em alguns municípios para a eleição de 2008 e nada mais”, frisou.

O deputado conta que defende um projeto de protagonismo para o partido no próximo ano.  “Queremos retomar o comando do governo, esse é o nosso interesse”, disse.

Sobre especulações que chegaram a ser cogitadas com base em afirmações de aliados de Coimbra de que ele estaria pretendendo ser vice do secretário Eduardo na eleição do próximo ano ele disse ter ficado pasmo com tal cogitação. “ Nunca aceitaria ser vice e esse foi um conselho que meu pai sempre me deu. Não tenho projeto de ser candidato a vice nem  de Eduardo nem de ninguém, essa é uma candidatura que não me satisfaz”, salientou. Ele conta que pode tentar reeleição para federal ou disputar outro cargo menos de vice.

Hipótese zero

Mesmo  diante da desconfiança de alguns aliados do PMDB sobre uma possível composição dele com o governo o deputado disparou: “ Não tenho aproximação política nenhuma com o governo, não sou aliado do Eduardo, não tenho vínculo e não existe esta hipótese”, salientou.

O PMDB, conforme ele conta, pretende conversar e se aliar com o PT, PP e PR para derrotar o atual governo. “O governo sofre desgaste em todos os pontos, não há nada em que ele se sobresaia. Com relação às rodovias não fez nem 5% das gestões anteriores além de não estar conseguindo recuperar as rodovias. O desempenho do governo é pífio. Nem os programas da campanha foram feitos até agora. Cadê o médico na porta que nunca saiu do papel?”, cobrou.  Segundo ele a oposição terá facilidade para derrotar o governo por causa do mau desempenho da gestão.