Economia

Foto: Frederick Borges

Em audiência com o governador Siqueira Campos, nesta terça-feira, 27, o diretor-presidente do Projeto Tamborá, José Eduardo Barbosa, discutiu sobre o Parque Aquícola, que prevê oito áreas delimitadas no lago da UHE Luís Eduardo Magalhães, destinadas a projetos de aquicultura, sejam individuais ou coletivos. O Tamborá, instalado em 1994, em Almas (TO), é um projeto referência no mundo todo em produção de peixes e Eduardo Barbosa pretende promover, junto com o governo do Estado, a ampliação da atividade no Estado.

O Parque Aquícola foi desenvolvido pelo Ministério da Pesca e Aquicultura e no Tocantins contemplará os municípios banhados pelo lago (Palmas, Porto Nacional, Brejinho de Nazaré, Miracema do Tocantins, Lajeado, Ipueiras e Tocantínia). De acordo com a proposta do Ministério, os parques aquícolas serão repassados para a população através de licitação, já com todos os seus aspectos legais e ambientais de cessão totalmente resolvidos. Ainda segundo as informações do Ministério da Pesca e Aquicultura, as famílias que já desenvolvem a atividade como colônias de pescadores terão a oportunidade de ampliar e melhorar o trabalho que já desenvolvem.

José Eduardo assegurou ao governador que irá dobrar a produção de peixes, que atualmente é de 50 toneladas por dia, quando iniciar a atividade também no Parque Aquícola. O Projeto Tamborá exporta, do Tocantins, carne da espécie Tambaqui para todo o país na forma de file, costelinha e empanados. A produção vai desde a criação de alevinos até o processamento da carne com aproveitamento de cortes e também do couro do peixe.

“O nosso projeto tem mais um objetivo, o de promover o consumo de carne de peixe a todas as camadas da sociedade e com o Parque Aquícola isso será ainda mais possível”, afirmou o diretor do Tamborá. O governador deu total apoio ao projeto de expansão do Tamborá e disse que sua expectativa é o aproveitamento sustentável do potencial hídrico do Estado. “O Tocantins tem um potencial praticamente único no país e isso precisa ser aproveitado para melhorar a qualidade de vida dos seus habitantes. A construção do lago previa a atividade aquícola, sem danos ao meio ambiente e com uma produção de grande porte”, disse Siqueira Campos.

Tamborá

As Fazendas Tamborá possuem hoje uma área de mais de 500 hectares de espelho d'água produtivas, com uma grande capacidade de expansão. A produção atual é de 50 toneladas / dia, o que torna o Projeto Tamborá um dos maiores pólos de piscicultura da América do Sul.

A Tamborá mantém um programa ecológico pioneiro. Seus lagos são especialmente adaptados à piscicultura, utilizando água das chuvas, não comprometendo os recursos hídricos da região. A pureza dos lagos é obtida através de técnicas naturais e há um intenso controle biológico, de modo a manter o bom desenvolvimento e a perfeita saúde dos animais. (Assegov)