Polí­tica

No evento do PT na tarde desta sexta-feira o Conexão Tocantins ouviu vários petistas sobre a possibilidade de coligação do partido com o principal desafeto da legenda no Estado, a senadora Katia Abreu (PMDB). O prefeito de Colinas do Tocantins, José Santana Neto, um dos principais nomes do partido, frisou que considera que a legenda deve rever a atual divergência ideológica com a senadora. “Acho que se tratando de um projeto devemos analisar essa diferença”, frisou, lembrando que a nível nacional o PMDB é o maior aliado do PT.

Já o pré-candidato da legenda, secretário de Saúde de Palmas, Nicolau Esteves, afirmou ao Conexão Tocantins que conversar civilizadamente até que é possível mas diz não acreditar numa aliança e inclusive apoio com a senadora. “Acho que ninguém chega ao poder sozinho mas não dá para misturar água com vinho. Ele apontou uma incompatibilidade entre o partido e as bandeiras e ideologia da senadora. “São pensamentos e ideologias muito diferentes”, analisou.

Sem exclusão

O ex-prefeito de Porto Nacional, Paulo Mourão, defendeu que para o pleito deste ano o PT esteja focado num projeto de governo para debater uma alternativa para o Estado. Questionado se ele é a favor de uma aliança do PT com a senadora Katia Abreu, principal desafeto do PT, ele salientou que "não se faz política excluindo ninguém".