Polí­tica

Foto: Divulgação

O prefeito de Palmas, Carlos Amastha (PP) não compareceu ao encontro com o presidente nacional do Partido Progressista, Ciro Nogueira e o presidente da legenda no Tocantins, Lázaro Botelho, além do pré-candidato ao Governo do Estado da legenda, Roberto Magno Martins Pires, em Brasília. O gestor explicou que o avião atrasou e não pode chegar a tempo ao encontro.

Uma das decisões do encontro foi que Botelho e Pires vão conduzir as conversas para possíveis alianças no pleito de outubro. O prefeito Amastha frisou ao Conexão Tocantins que vai respeitar a decisão do partido. “Sou um homem de partido. O que eles decidirem vai estar ótimo”, frisou.

No entanto o gestor frisou que se o PP coligar com o PMDB da senadora Katia Abreu não participará do processo eleitoral. “Se isso acontecer não vou participar mas também não vou me posicionar contra”, disse.

O PP está dividido sobre as possíveis alianças para a eleição. O grupo ligado a Lázaro quer uma possível aliança com o PMDB, já Amastha é a favor que o Pros do senador Ataídes Oliveira também ingresse no grupo.

Bastidores

Embora o prefeito e o PP neguem que ele tenha ido ao encontro, há nos bastidores uma informação de que, na verdade, o gestor esteve na reunião com o presidente nacional da sigla, mas, quando tocaram numa possibilidade de aliança com o PMDB da senadora Kátia Abreu, Amastha teria levantado da mesa deixando imediatamente o encontro. Outra informação é de que o efeito da reunião não teria agradado alguns pepistas e inclusive o presidente regional Lázaro Botelho teria sido visto com cara de poucos amigos no plenário da Câmara dos Deputados após o encontro, segundo contou um parlamentar da bancada federal. Mesmo diante de tais informações a versão oficial dos dois lados é de que Amastha não foi ao encontro.