Educação

Foto: Divulgação

Professores e especialistas que atuam no ensino médio da Rede Estadual de Ensino podem aderir ao ‘Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio’. O cadastro no programa deve ser feito pelos diretores das escolas e já começou. A iniciativa oferece formação continuada, em aulas presenciais e desenvolvidas nas próprias escolas.

“Não há processo educativo sem a mediação do professor. Por isso, o eixo central deste programa é valorizar esses profissionais. No Tocantins todos os professores do ensino médio, ao todo 5.549 educadores, que atuam em 243 escolas, podem participar do programa. No primeiro semestre serão trabalhados seis eixos de estudo e no segundo quatro áreas de conhecimento: linguagens, matemática, ciências da natureza e humanas”, explicou a coordenadora de Educação Básica da Seduc, Sâmia Carvalho, que também é uma das supervisoras do programa no Tocantins. 

A coordenação geral de capacitação do Pacto fica a cargo da Universidade Federal do Tocantins. A supervisão é feita pela Seduc, que capacitou formadores nas Diretorias Regionais de Gestão e Formação, que, por sua vez, irão capacitar os professores orientadores de estudo, definidos por seleção. 

Os educadores que fizerem parte da iniciativa receberão uma bolsa mensal de R$ 200 e o orientador receberá R$ 765. O resultado da seleção dos orientadores deve ser divulgado no dia 25 de fevereiro.

Como participar

O cadastro é on-line. Para que os educadores participem, os diretores das escolas devem cadastrá-los no Simec, em SISMédio. Lá, ele deve clicar em ‘solicitar acesso’ e inserir o CPF e a senha. Dentro do sistema, quando acessar a aba Escola, o diretor encontrará a lista de professores de sua escola e deverá selecionar todos aqueles que têm interesse em participar da formação. Para que possam ser inscritos, os educadores devem atuar em sala de aula e estarem registrados no Censo Escolar de 2013. “Além dos professores, o diretor pode cadastrar os coordenadores pedagógicos. A relação dos coordenadores será enviada pela Seduc ao Ministério da Educação, permitindo a inscrição”, explicou a supervisora do programa, Nelma Maria Matias Pinheiro.