Campo

Foto: Joatan Silva

A agroindústria é geralmente reconhecida como uma das mais promissoras estratégias de produção na agricultura familiar. É um mecanismo de construção de arranjos capazes de incrementar o processo de valorização dos produtos regionais e, portanto, a sustentabilidade do desenvolvimento regional. Para discutir o assunto amplamente, foi realizado nesta quinta-feira,13, o I Seminário Estadual da Agroindústria Familiar, no auditório Sesc/Fecomércio, em Palmas – Unindo Esforços e Gerando Desenvolvimento promovido pelo governo do Estado, por meio do Instituto de Desenvolvimento Rural do Tocantins (Ruraltins). 

O evento reuniu representantes dos Governos federal e estadual, parceiros e agricultores familiares. O encontro trouxe palestras e discussões voltadas à agroindústria familiar. O secretário de Estado da Agricultura e Pecuária (Seagro), Júnior Marzola falou sobre a importância de apoiar o pequeno produtor e disseminar o conhecimento. “É preciso oferecer aos pequenos produtores condições de desenvolvimento das atividades rurais, com capacitação e consequentemente a geração de renda para que a concorrência no mercado seja mais justa”, avalia.

 Serviço de Inspeção Municipal 

Marzola falou ainda sobre a importância das prefeituras de aderirem o Serviço de Inspeção Municipal (SIM). Segundo ele, 65% dos prefeitos ainda não criaram o serviço. “Precisamos fazer uma campanha de conscientização para que seja implementado o serviço. Estar regulamentado garante a qualidade dos produtos e do trabalho. É um ganho tanto para o produtor rural, que sai da informalidade, quanto para a população que vai receber alimentos com garantia de segurança”, explica. 

Para a chefe de seção de agroindústria do Ruraltins, Vanusse Beuter, “a agroindústria é a melhor alternativa do agricultor permanecer no campo e ter uma renda, os produtos com o certificado do SIM poderão ser comercializados em todos os estabelecimentos do município”, conta. O produtor rural de Porto Nacional João Cirino reconhece a importante do SIM. “Eu trabalho com leite e encontro barreiras para expor meus produtos em outros municípios que compram as mercadorias de grandes lacticínios, o selo do SIM viabiliza oportunidade de vender para os grandes estabelecimentos”. (Ascom/Seagro)