Polí­tica

Foto: Divulgação

A semana começa com a expectativa sobre a primeira definição do governo estadual com relação às eleições de outubro deste ano; a possível renúncia do governador Siqueira Campos. Nos bastidores há duas correntes de defesas embora predomine a de que o Chefe do Executivo não irá renunciar para o filho, ex-secretário Eduardo Siqueira Campos ser o candidato.

Dentre os aliados, deputados e prefeitos da base o discurso é só um: a dúvida permanece. Em entrevista ao Conexão Tocantins na tarde desta segunda-feira, 31, o vice-governador João Oliveira afirmou que até agora o governador não o comunicou sobre a decisão. “Ninguém sabe de nada. Não me confirmaram nada por isso não estou sabendo”, frisou.

Questionado se vai conversar com o governador Siqueira Campos sobre a decisão o vice-governador foi cauteloso e disse que não. “Vou esperar e deixar que o governador faça tudo por vontade própria. Vou apoiá-lo seja qual for a decisão”, disse. O prazo final para a decisão da saída de Siqueira é no dia 5. Oliveira nos últimos meses vem dizendo que não aceitará renunciar ao cargo de vice.

Possibilidades

São várias as possibilidades cogitadas a principal delas é que Siqueira Campos deve ficar no governo e mesmo assim Eduardo pode sair candidato já que vários juristas acreditam que se o pai pode tentar reeleição o filho teria o mesmo direito. Alguns advogados já estariam buscando jurisprudência para o caso. Outra possibilidade aventada é que o governador saia à reeleição com o presidente da Assembleia Legislativa, Sandoval Cardoso como candidato a vice.

Na base há ainda quem aposte que um outro nome pode ser escolhido para ser apoiado pelo governo.