Polí­tica

Foto: Divulgação

O presidente interino da Assembleia legislativa, Osíres Damaso informou ao Conexão Tocantins que deve publicar até o dia 21 a resolução que rege as eleições indiretas que serão realizadas no dia 4 de maio. Na resolução os deputados devem votar um item que exige apenas filiação partidária sem obrigatoriedade do período mínimo de um ano como determina a constituição.

“A assessoria jurídica está fazendo uma análise mas a princípio não existe anualidade nem na constituição estadual nem na federal exigindo tempo de filiação partidária e sim só a filiação. Na eleição indireta é totalmente diferente da eleição normal e essa flexibilidade tem que haver porque é uma eleição exepcional”, sustentou.

Damaso rebateu o argumento de que os deputados querem tirar a exigência para permitir que o governador interino, Sandoval Cardoso (SD) seja o candidato da base do governo na Casa de leis. “ Não é para privilegiar o Sandoval é para privilegiar qualquer pessoa que queira disputar como o Sargento Aragão, o deputado Eli Borges e várias pessoas que podem ficar de fora com essa exigência. O Aragão e Eli por exemplo tem o direito de voto e não podem ser votados com essa exigência”, disse.

O presidente citou ainda que os senadores do Estado que quiserem disputar também não poderiam em razão da exigência já que todos mudaram de partido. “ Como pessoas tão importantes que representam o povo como os senadores podem ficar de fora”, indagou.

No pleito o voto aberto será mantido. Questionado como a Casa de leis pretende combater possíveis negociatas no pleito, Damaso foi enfático:  “ O colégio é  de 24 votos, e é facilmente de ser acompanhado. Cabe a cada deputado ter o compromisso  com o Estado para termos uma eleição sem aliciamento financeiro”, disse. No pleito indireto de 2009 cada deputado ganhou a indicação de uma secretaria para eleger o então governador Carlos Gaguim (PMDB).