Polí­tica

Foto: Divulgação

O Partido Progressista foi citado pelo presidente regional do PSD, deputado federal Irajá Abreu durante evento do partido na última sexta-feira, 11, como uma legenda que coligará com o partido e também com o PMDB, PT, Pros e PV. A presença do pré-candidato da legenda, empresário Roberto Magno Martins Pires chegou a ser anunciada pela assessoria do evento mas ao contrário dos outros partidos não houve nenhum representante de fato no palanque do PSD.

Irajá e ainda a senadora Katia Abreu do PMDB são os maiores desafetos políticos do prefeito da capital, Carlos Amastha que é do PP e coordenador político da terceira via formada pelo PP, PT, PSL e PcdoB. Durante o evento Irajá chegou a dizer que tal divergência em nada impedirá uma aliança com o partido. No entanto Amastha já deixou claro por várias vezes que não participará da eleição se seu grupo coligar com o que chama de “velha política” do Estado.

Em entrevista ao Conexão Tocantins nesta segunda-feira, 14, Amastha disse que não conversou com nenhum dos partidos citados. “Até decisão contrária o coordenador político da terceira via sou eu e não tenho feito nenhuma conversa com Marcelo Miranda nem com ninguém”, disse. Amastha ainda completou: “ninguém está autorizado a falar pela terceira via”, frisou.

Segundo o prefeito ninguém pode impedir as conversas individuais entre membros de partidos mas isso não significa que haverá alianças.

Procurado pelo Conexão Tocantins para comentar a possibilidade de aliança com o PSD e demais partidos citados o presidente regional, Lázaro Botelho disse nesta segunda-feira, 14, que não houve nenhuma conversa ainda nesse sentido, principalmente com o PMDB. “Não temos conversa ainda não. O PMDB não tem nem quem é o candidato ainda, estão na briga interna”, lembrou.

O presidente citou ainda que o Pros já tem candidato ao governo, que é o senador Ataídes Oliveira. “Mais na frente podemos nos unir mas temos nosso candidato que é o Roberto Pires. Ninguém está descartado”, completou.

Botelho contou ainda que o partido começará uma série de reuniões nas cidades maiores levando o nome de Roberto Pires, que aliás já até teria fechado a contratação do publicitário Duda Mendonça para sua campanha. O presidente do PP frisou que nada impede que os partidos da base da presidente Dilma estejam unidos, no entanto o partido trabalha para que Roberto seja o candidato. “Todas as oposições unidas ficam imbatível”, analisou.