Polí­tica

Foto: Divulgação

A resolução que traz  as regras da eleição indireta que acontecerá no dia 4 de maio na Assembleia Legislativa será lida nesta terça-feira, 22, na sessão onde será encaminhada para a Comissão de Constituição e Justiça. Após apreciação na Comissão, a matéria voltará para o plenário onde será apreciada e votada. A resolução deve ser questionada por alguns parlamentares de oposição como o peemedebista José Augusto Pugliese.

Em entrevista ao Conexão Tocantins na manhã de hoje o presidente interino da Assembleia Legislativa, Osíres Damaso revelou que a Casa está segura com relação à não exigência de um ano de filiação para candidatos que pretendam participar do pleito. “ Estamos 100% seguros com relação a isso. A imprensa no geral está passando uma matéria errada para a população. A Constituição Estadual nema  federal nem a lei 2154 de 2009 quando o Gaguim foi eleito fala de prazo de filiação. Só estou mantendo a lei da mesma forma”, frisou.

Se o presidente diz estar seguro por outro lado deputados da oposição prometem questionar tal alteração na lei. Para eles, a não exigência tem como objetivo permitir que o governador interino Sandoval Cardoso (SD, filiado há menos de um ano do Solidariedade, possa disputar o pleito.A própria Procuradoria Regional Eleitoral já se manifestou contrária à não exigência do prazo de filiação.

A oposição se articula também para lançar um candidato que possa ter reais chances de vencer no entanto dos 24 deputados  estaduais pelo menos 15 são ligados ao governo estadual.

A eleição indireta acontecerá em razão da renuncia dupla do ex-vice-governador João Oliveira e do ex-governador Siqueira Campos.