Saúde

Foto: Ascom Sesau

Um grupo de cerca de 40 profissionais do Programa Mais Médicos participaram de capacitação sobre diagnóstico de portadores de hanseníase, entre os dias 24 e 26 de junho, no Anexo I da Secretaria da Saúde do Estado (Sesau), em Palmas. Segundo a gerente da Área Técnica da Hanseníase da Sesau, Maria Isabel Monici, além da capacitação teórica, sobre a hanseníase, os médicos também realizaram avaliação neurológica de portadores da doença para aplicar o conhecimento adquirido durante a capacitação.

“Como a hanseníase é uma doença que eles não conhecem em seu país de origem, é muito importante que eles saibam identificar casos desde os primeiros sinais para que, assim, seja interrompido o ciclo de transmissão do bacilo causador da doença”, explica Maria Isabel.

Cerca de 30 dos médicos que participaram do curso são estrangeiros, como o cubano Vladimir Gonzalez Lozada, que atua em Paranã. “Em nove anos de profissão eu nunca tive contato com um paciente com hansen. Esses cursos nos ajudam muito a reconhecer esses casos”, disse. Segundo Lozada, diferentemente do Brasil, em Cuba, casos de hanseníase e outras doenças comuns, como a tuberculose, são poucos.

Hanseníase

Sobre a Hanseníase, Maria Izabel esclarece que em todo o Estado, 889 pessoas foram notificadas com a doença no ano passado. Ela explica ainda que o Tocantins é considerado região hiperendêmico, o que reforça a necessidade do diagnóstico precoce de novos casos para interrupção da transmissão da doença. A hanseníase é uma doença transmissível que afeta a pele e nervos periféricos e que, se não tratada, pode incapacitar o portador. O tratamento é gratuito e oferecido somente na rede pública de saúde.

Tuberculose

Além da capacitação sobre hanseníase, outro grupo de médicos, entre profissionais da Atenção Básica e do Programa Mais Médicos, do Governo Federal, participou esta semana de capacitação sobre manejo clínico da tuberculose, no auditório do Ministério da Saúde, em Palmas.

Nesta quinta-feira, 26 segundo a gerente do Programa Estadual de Tuberculose, Myria Adato, 23 médicos concluíram a atualização. Segundo a médica cubana Yanet Cedeno Hernandez, que atua em Axixá do Tocantins, a oportunidade a deixa mais segura para atuar. “A prevalência dessas doenças em Cuba é muito menor. Agradecemos muitos por essas capacitações porque ficamos mais seguros para realizar o diagnóstico e o acompanhamento de pacientes que chegam até nós.” (Ascom/Sesau)