Polí­tica

Foto: Divulgação Júnior Coimbra foi destituído da presidência estadual do partido pela comissão interventora do PMDB nacional Júnior Coimbra foi destituído da presidência estadual do partido pela comissão interventora do PMDB nacional

O deputado federal Junior Coimbra (PMDB) emitiu nesta sexta-feira, 27, nota de repúdio na qual a acusa a senadora Kátia Abreu de estar implementando uma ditadura jamais vista no PMDB.

O deputado afirma que a Comissão Provisória do PMDB, que, segundo ele, foi ilegalmente nomeada pelo Diretório Nacional, vem sendo manobrada pela senadora Kátia Abreu, perseguindo lideranças políticas que o apoiam.

Coimbra afirma ainda que a senadora está implementando uma ditadura jamais vista na história do PMDB do Brasil e do Tocantins, “principalmente agora, por decretar a intervenção em 66 (sessenta e seis) diretórios municipais, sem oportunizar a justa oportunidade para que os dirigentes apresentem defesa, alijando membros que foram eleitos pelo voto dos pmedebistas”, diz o deputado.

Na última terça-feira, 24, o deputado realizou uma convenção, convocada quando o mesmo ainda não tinha sido destituído da presidência regional do partido, para escolha da chapa que disputará as eleições. Na oportunidade o deputado foi escolhido o candidato a governador do partido com 106 votos contra 10 para o ex-governador Marcelo Miranda, e 1 voto nulo. Já o empresário Dito Faria foi escolhido como candidato a senador do PMDB com 102 votos contra 13 para a senadora Kátia Abreu, 1 voto nulo e 1 branco.

Neste sábado, a Comissão Interventora do PMDB, que não reconhece a escolha feita na última terça-feira, realizará outra convenção quando pretende definir os nomes do ex-governador Marcelo Miranda como candidato ao Governo do Estado e o de Kátia Abreu para o Senado da República. 

Confira abaixo a nota de repúdio na íntegra e a seguir o anexo com a relação dos diretórios municipais que sofreram intervenção.

Nota de Repúdio

A Comissão Provisória do PMDB, ilegalmente nomeada pelo Diretório Nacional, vem sendo manobrada pela senadora Kátia Abreu, e está perseguindo lideranças políticas que apoiam o deputado federal Junior Coimbra.

A senadora está implementando uma ditadura jamais vista na gloriosa história do PMDB do Brasil e do Tocantins, principalmente agora, por decretar a intervenção em 66 (sessenta e seis) diretórios municipais, sem oportunizar a justa oportunidade para que os dirigentes apresentem defesa, alijando membros que foram eleitos pelo voto dos pmedebistas.

Registra-se que a grande maioria dos delegados e dirigentes municipais do PMDB afetados pelos atos antidemocráticos, estiveram presentes na convenção realizada no dia 24.06.2014, que por imensa maioria escolheram Junior Coimbra para governador e Dito para o Senado.

Fica nosso repúdio a truculência da senadora Kátia Abreu no desejo impositivo de sua candidatura, manifestando meu total apoio a todos os colegas dirigentes que foram arbitrariamente excluídos dos diretórios municipais, esperando que o Poder Judiciário tome as providências para que se ponha um fim nessa prática permissiva ao estado democrático de direito.

Deputado Federal Junior Coimbra

Membro do PMDB