Polí­tica

Foto: Divulgação

Em julgamento na noite desta quinta-feira, 11, o ministro do Tribunal Superior Eleitoral, Gilmar Mendes, relator do recurso ordinário que pede a impugnação do registro das candidaturas de Marcelo Miranda (PMDB) a governador e Marcelo Lelis (PV) a vice-governador, votou pelo provimento do registro do peemedebista, mas manteve a inelegibilidade de Lelis que deverá ser trocado.

No caso do ex-governador e candidato ao Governo, Marcelo Miranda, a coligação “A Mudança Que a Gente Vê”, encabeçada pelo governador Sandoval Cardoso (SD) entrou com dois recursos ordinários pela impugnação do registro do peemedebista. No dia 22 de agosto, o advogado da coligação de Sandoval, Juvenal Klayber, entrou com o primeiro recurso ordinário no Tribunal Regional Eleitoral para que o processo no qual Marcelo teve seu registro de candidatura aprovado fosse revisto. Já no dia 31 de agosto, o advogado entrou com outro recurso especial no TRE por considerar os atos da convenção do PMDB ilegais. 

No caso do candidato a vice-governador, Marcelo Lelis (PV), foram impetrados os recursos ordinários eleitorais contra sua elegibilidade em face do Tribunal Regional Eleitoral ter aprovado seu registro, uma vez que, pesava contra o mesmo a condenação por abuso de poder econômico e político nas eleições de 2012. Quem entrou com os recursos foram o candidato a deputado federal, Tiago de Paula Andrino (PP), a coligação “A Mudança que a Gente Vê” e o Ministério Público Eleitoral.

O ministro Gilmar Mendes deu provimento aos recursos e manteve a inelegibilidade de Lelis, negando o registro de sua candidatura. O voto do relator foi acompanhado pelos demais membros da corte. 

Segundo o advogado, Juvenal Klayber, agora o candidato a vice-governador de Marcelo Miranda terá de ser trocado, uma vez que, segundo o advogado, seu registro de candidatura também foi indeferido. "O Ministro Gilmar Mendes deu provimento ao recurso da nossa coligação, do Ministério Público e do deputado Tiago Andrino. Foram três recursos. O Gilmar Mendes deu provimento indeferindo o registro de candidatura do Marcelo Lelis, ou seja, ele vai ter que ser trocado", afirmou Juvenal Klayber.

Marcelo Lelis ainda pode recorrer da decisão que confirmou sua inelegibilidade.

Repercussão

Em sua página no microblog Twitter o prefeito de Palmas, Carlos Amastha (PP), comemorou a decisão da justiça eleitoral e disse: "Já foi o primeiro ficha suja, o outro cai nos próximos dias. Porque imaginavam que ficariam impunes? Melhorando o padrão dos candidatos. Fez, paga", disse o prefeito. (Atualizada às 21h40)