Polí­tica

Foto: Divulgação Segundo Ataídes Oliveira, deixar passar em branco um escândalo dessas proporções é desrespeitar o eleitor Segundo Ataídes Oliveira, deixar passar em branco um escândalo dessas proporções é desrespeitar o eleitor

O senador e candidato ao Governo do Tocantins pela coligação “Reage Tocantins”, Ataídes Oliveira (Pros), decidiu ingressar na Justiça uma representação visando à abertura de uma Ação Investigação Judicial Eleitoral (AIJE) no caso da prisão de quatro pessoas em Piracanjuba/GO, seguida da apreensão de um avião e de R$ 504 mil, de origem ignorada, que seriam utilizados para abastecer a campanha eleitoral do PMDB no Tocantins.

Na operação, deflagrada em Piracanjuba na última semana, ainda foram apreendidos santinhos do candidato ao Governo do Estado, ex-governador Marcelo Miranda (PMDB).

A medida do candidato tem como objetivo apurar o uso indevido e o abuso do poder econômico e de autoridade.

Segundo Ataídes, deixar passar em branco um escândalo dessas proporções é desrespeitar o eleitor e desconsiderar a seriedade do processo eleitoral. “Os tocantinenses precisam urgentemente de uma resposta sobre esse caso, e os envolvidos precisam ser responsabilizados na forma da legislação eleitoral, para assegurar a integridade e o correto andamento das eleições que se aproximam”, afirmou.

Diante das controvérsias apresentadas, o que se vê é uma história muito mal contada, segundo o senador. Segundo ele, fica evidente o envolvimento de candidatos com uma quadrilha operando dinheiro de origem ilícita ou duvidosa, destinado a abastecer o caixa dois das campanhas.

Favorecimento de empresas

O senador afirma também que, além de tudo, diante das informações que vieram à tona após a operação, se sobressai o favorecimento de empresas com contratos governamentais, as quais retribuem com favores financeiros para as campanhas e com empréstimos de aeronave, sem a necessária e correta contabilização na prestação de contas à Justiça Eleitoral. 

Bloqueio Judicial

A coligação “Reage Tocantins” pedirá o bloqueio judicial dos valores apreendidos e das contas bancárias que receberam as transferências noticiadas na imprensa, bem como a quebra do sigilo telefônico e bancário dos envolvidos.

A Ação de Investigação Judicial Eleitoral, sendo procedente, implicará na declaração de inelegibilidade de todos os que contribuíram para a prática dos atos ilícitos, no que se refere a eleições que se realizarem nos oito anos subsequentes, e, se eleitos, na cassação dos respectivos registros e diplomas.