Polí­tica

Foto: Divulgação

O peemedebista Marcelo Miranda da coligação "A Experiência Faz a Mudança" foi eleito o novo governador do Tocantins. Com 51,30% dos votos válidos (360.640), o candidato ultrapassou o governador e candidato a reeleição, Sandoval Cardoso (SD) que recebeu 44,72% dos votos (314.392). 

Dos demais candidatos, Ataídes Oliveira (Pros) ficou na terceira posição com 3,54% dos votos (24.874), seguido de Potengy (PCB) com 0,27% (1.873 votos) e Eula Angelim com 0,18% (1.234 votos).

Um total de 2,47% (19.775) dos Tocantinenses votaram em branco e 9,77% (78.296) anularam os votos. Houve ainda 19,60% de abstenção (195.295 eleitores).

Eleição

Este é o terceiro mandato para o qual Marcelo Miranda é eleito. O primeiro se deu em 2002 quando foi eleito para um mandato de 2003 a 2006 quando foi reeleito, entretanto, sendo cassado em 2009 por abuso de poder econômico durante as eleições de 2006. Em 2010 Marcelo Miranda chegou a concorrer a uma vaga no Senado e foi o segundo mais votado, ficando atrás do falecido senador João Ribeiro. Naquela oportunidade o Estado tinha em disputa duas vagas, mas Marcelo não chegou a ser diplomado porque foi enquadrado na Lei da Ficha Limpa que o considerou inelegível devido à sua cassação e quem assumiu a vaga foi o terceiro colocado Vicentinho Alves (SD), que naquela ocasião era filiado ao Partido da República. 

Nestas eleições, Marcelo Miranda esteve envolvido em diversas polêmicas e acusações de desvios de dinheiro público em suas gestões passadas, em ações movidas pelo Ministério Público que pedem a devolução dos recursos que teriam sido desviados. O próximo governador inclusive está com as contas bloqueadas pela Justiça Federal que tenta reaver valores desviados. A polêmica mais recente foi o caso do avião apreendido com mais de R$ 500 mil e santinhos políticos de Miranda em Piracanjuba/GO, onde os presos chegaram a afirmar que o dinheiro sem origem declarada era para pagar custos de campanha do partido de Marcelo. Apesar do governador eleito negar, foi divulgado na imprensa um vídeo mostrando o irmão de Marcelo, José Edmar Brito Miranda Junior pagando a conta de hotel de Douglas Marcelo Alencar Schimitt que é acusado de ser o líder da operação que resultou na apreensão do dinheiro. (Confira aqui tudo que foi publicado sobre o caso)

O peemedebista também já responde à Ação de Investigação Judicial Eleitoral (AIJE) que pede a cassação de seu registro de candidatura e da sua eleição para que não tome posse e tenha cassado seu diploma de governador pela Justiça Eleitoral. A ação tramita no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-TO) baseada nos fatos da apreensão do dinheiro e do avião.

Perfil

Natural de Goiânia, Marcelo Miranda (52 anos) é empresário e disputou o primeiro cargo público em 1990 e naquela oportunidade foi eleito deputado estadual pelo PFL (atual DEM). Conseguiu reeleger-se para o cargo nas duas eleições seguintes se tornando presidente da Assembleia Legislativa do Tocantins na terceira legislatura. Nos anos seguintes exerceu o mandato de governador tendo sido eleito a primeira vez nas eleições de 2002.