Saúde

Foto: Divulgação

O Tocantins sedia entre os dias 4 e 7 de novembro o IV Encontro do Colegiado de Saúde Mental da Região Norte. O evento reúne coordenadores e profissionais de saúde mental de secretarias estaduais e municipais e distritos sanitários indígenas do Acre, Amapá, Amazonas, Rondônia, Roraima, Pará, Tocantins e técnicos do Ministério da Saúde para discutir desafios da gestão e planejamento da rede de atenção psicossocial (RAPS) na região Norte.

O tema do evento este ano é “Do coração da floresta ao coração do Brasil: Juntos no fortalecimento da saúde mental”. A abertura do encontro acontece no dia 4 de outubro às 20 horas, no Spazio Bella Data (Qd 103 Sul Rua SO-03 lt 29). 

Segundo a coordenadora do colegiado de Saúde Mental da Região Norte e gerente de Saúde Mental do Tocantins, Ester Cabral, objetivo do encontro é propor ações estratégicas para o fortalecimento da Rede de Atenção Psicossocial (RAPS) nos sete estados com um olhar diferenciado para as comunidades tradicionais e as diversidades culturais presentes na região amazônica. 

Nos quatro dias de programação estão previstas rodas de conversas e palestras sobre temas ligados a formação, apoio técnico e fortalecimento ético-político dos Estados à rede de atenção psicossocial, acesso a serviços de saúde mental e suas complexidades, reabilitação psicossocial, plano crack, saúde mental indígena e prisional, entre outros. O encontro é organizado conjuntamente pela Secretaria da Saúde do Estado (Sesau), Secretaria da Saúde de Palmas (Semus) e Ministério da Saúde (MS). 

Rede de Atenção 

No Tocantins, a Rede de Atenção Psicossocial (RAPS) conta com cerca de 300 profissionais que atuam em 18 Centros de Atenção Psicossocial (Caps), que são unidades especializadas no tratamento multiprofissional de portadores de transtornos mentais instaladas em vários municípios do Estado, e outros serviços, como o serviço de residência terapêutica (SRT) em Araguatins, que atende egressos de hospitais psiquiátricos sem vínculos familiares, e unidade de acolhimento Adulto em Colinas do Tocantins, que é uma extensão do Caps AD III e que atua no processo de reconstrução de vínculos sociais e familiares de assistidos. Além disso, o Estado dispõe de 21 leitos nas alas psiquiátricas no Hospital Regional de Araguaína (HRA) e no Hospital Geral de Palmas (HGP). 

Dos 18 Caps instalados, quatro deles são Caps AD III 24 horas e funcionam em Araguaína, Gurupi, Palmas e Colinas do Tocantins.  Há Caps I em Araguatins, Tocantinópolis, Buriti do Tocantins, Colinas do Tocantins,  Pequizeiro, Miracema do Tocantins, Paraíso do Tocantins, Gurupi, Formoso do Tocantins e Taguatinga e CAPS II em Araguaína, Palmas, Porto Nacional e Dianópolis.  Encontram-se em fase de implantação mais dois Caps I e um CAPS AD na Região do Bico do Papagaio, três Caps I, um Caps III,  um Caps infantil, um SRT e uma Unidade de Acolhimento Adulto  na Região Médio Norte, dois Caps I na Região Cerrado Tocantins Araguaia, um Caps I, um Unidade de Acolhimento e um Caps infantil na Região Capim Dourado, três Caps I, uma Unidade de Acolhimento e um Caps infantil na Região Ilha do Bananal e um Caps I na Região Sudeste, num total de 21 novos Serviços de Saúde Mental no Estado. (Ascom Sesau)