Polí­tica

Foto: Divulgação

O suplente do PT e ex-presidente do partido no Tocantins, Donizeti Nogueira afirma que a resistência e rejeição do nome da senadora Katia Abreu (PMDB) para o Ministério da Agricultura é dor de cotovelo. "Essa choradeira é muito mais dor de cotovelo do eixo que se considera mais desenvolvido do que qualquer outra coisa", disse Donizeti. "Estão reclamando primeiro porque ela é mulher e segundo porque é de Tocantins, um Estado pequeno”, afirmou ao Jornal Estado de São Paulo.

Nogueira lembrou da aliança do PT com o PMDB para as eleições deste ano no Tocantins que elegeu o governador eleito Marcelo Miranda. "Apoiamos porque o PMDB estava apoiando a presidente Dilma (Rousseff). Houve um esforço muito grande da nossa parte para a eleição da senadora Kátia do mesmo jeito que houve um esforço dela para eleger a presidente Dilma", afirmou.

O suplente foi questionado sobre a questão ideológica com relação à indicação de Katia, que representa o agronegócio e foi incisivo na resposta: "Eleição não é ideologia, é pragmatismo. O PT já resolveu isso em 1991. Desde o governo Lula a Agricultura fica com o agronegócio. Não sei por que a surpresa”, disse.

Se Katia for assumir o Ministério Donizeti assume no Senado.

Por: Redação

Tags: Donizeti Nogueira, Kátia Abreu, Senado