Educação

Foto: Divulgação

O Programa Ensino Médio Inovador (Proemi), uma ação do Ministério da Educação (MEC) que visa fortalecer o desenvolvimento de propostas curriculares inovadoras no ensino médio, será ampliado na rede estadual de ensino tocantinense no próximo ano letivo. Ao todo, 246 escolas serão atendidas, beneficiando cerca de 64 mil estudantes.

Atualmente, 221 escolas e 56,7 mil alunos já são contemplados com as ações que visam o fortalecimento do ensino médio. Dentre as medidas, estão a extensão gradual da carga horária mínima de 2.400 horas para três mil; e o redesenho curricular, com a inserção de oito macrocampos distintos, abordando temas como comunicação, cultura digital, cultura corporal, iniciação científica e pesquisa, línguas estrangeiras e artes.

“As mudanças no currículo são gradativas; as escolas podem inserir as novas atividades com mais uma hora diária na carga horária ou optar pelos contraturnos. O importante é que ocorram mais adesões, pois todos saem ganhando a partir delas”, explicou a coordenadora de Educação Básica da Secretaria de Estado da Educação e Cultura (Seduc), Samia Maria Carvalho de Macedo.

De acordo com a técnica da Seduc, o Proemi colabora com a formação integral dos estudantes. “Junto ao Pacto Nacional pelo Fortalecimento do ensino médio, que promove a formação continuada dos professores, o Proemi é uma ação estratégica do MEC para redesenhar o nosso currículo, inserindo no cotidiano dos alunos atividades que não são disciplinas específicas, mas focam a formação integral de cada estudante”, ressaltou Samia.

Bom exemplo

Já incluído no Proemi, o Colégio Estadual de Itacajá, localizado no município de mesmo nome, na região norte do estado, vem colhendo os frutos do incentivo federal. Conforme conta a diretora da unidade, Klenes Pereira dos Santos Pinheiro, a partir do Proemi, foi possível fazer uma ampliação curricular em todas as áreas no colégio. “No macrocampo do Acompanhamento Pedagógico, só para exemplificar, a gente criou um cursinho pré-vestibular para os alunos da 3ª série do ensino médio, e os resultados já chegaram, porque vários alunos conseguiram aprovação em vestibulares, inclusive em Palmas e em Guaraí. E no reforço pedagógico para os da 1ª e 2ª série do ensino médio os alunos apresentaram uma melhoria impressionante, tanto que mais de 100 alunos terminaram o ano letivo com média final de 9,8 pontos”, revelou a gestora educacional.

Outras atividades são desenvolvidas pela escola por meio do Proemi, como a Noite de Talentos, realizada no último fim de semana. O evento reuniu toda a comunidade escolar para apresentações culturais ligadas ao teatro, à dança, à música e ao desenho.  A aluna da 1ª série do ensino médio da unidade, Maria Eduarda Miranda Martins, participou de uma apresentação de dança flamenca. “Foi muito legal participar da Noite de Talentos; é uma chance da gente mostrar o talento que tem em outras áreas, sem contar que desinibe os alunos, ajuda todo mundo a falar melhor e até a se socializar mais”, afirmou a estudante de 16 anos.

Adesão

Para aderir ao Proemi, a escola deve ser da rede pública de ensino, oferecer o ensino médio e elaborar um projeto de redesenho curricular que contemple, no mínimo, três dos oitos macrocampos do Programa do MEC: o Acompanhamento Pedagógico; a Iniciação Científica e Pesquisa; e a Leitura e Letramento. Após a elaboração do projeto, o mesmo é encaminhado para a Seduc, que o analisa e o encaminha para o MEC, responsável pela validação da proposta apresentada.

A partir do momento que o MEC considera o projeto apto a ser aderido ao Proemi, o que vale para um ciclo de dois anos, a unidade escolar contemplada recebe recurso do governo federal, que varia entre a quantidade de alunos e o tipo de regime educacional (regular ou integral). Os valores vão de R$ 20 mil a R$ 140 mil para serem aplicados no redesenho curricular por ano. (Ascom Seduc)