Polí­tica

Foto: Benhur de Sousa

Nenhum dos escalados para falar na CPI do Igeprev nesta quinta-feira, 18, compareceu conforme o Conexão Tocantins adiantou. O presidente, Stalin Bucar propôs nesta quinta-feira que a CPI seja encerrada logo e os membros concordaram só que vão antes aprovar um relatório parcial. “Não há mais tempo”, disse. Ele afirmou que não é conveniente prosseguir com a Comissão e as coisas não estão fluindo. “Entendíamos que poderíamos após as eleições avançar”, disse. Para o parlamentar, a CPI deve ser encerrada inclusive sem relatório.

O deputado Sargento Aragão (Pros) concordou com o encerramento e disse que pretende apresentar um relatório paralelo que fez. O deputado fez uma retrospectiva das dificuldades da CPI.  “Se o MPE do Estado do Tocantins tivesse aberto procedimento real com vontade de fazer nós estaríamos tendo hoje delações premiadas”, criticou.  Segundo ele o MPE foi uma vergonha.

O parlamentar pediu a José Roberto Forzani, que foi reeleito, que continue na próxima legislatura tentando abrir a CPI. “Essa CPI começou a pulso e nós fizemos o que foi possível”, disse. Forzani disse que a maracutaia estava bem clara nas aplicações do Igeprev e avaliou que houve avanços.

Sem depoimentos

A ex-contadora do doleiro Alberto Yousseff , Meire Poza informou apenas por email a ausência.“O não comparecimento não justificável resulta na convocação coercitivamente”, lembrou Aragão. A delegada Andreia não compareceu porque a Polícia Federal não autorizou. Já Alex Alberto Rodrigues justificou que está em viagem e que a partir do dia 20 está disponível para comparecer.

Na sessão de hoje os parlamentares leram ofícios que foram encaminhados pela Polícia Federal onde reafirma que as investigações da Operação Miqueias, que cita agentes políticos do Estado, segue em caráter sigiloso. A PF informou ainda que um mandado de segurança foi protocolado para tentar barrar a investigação e com isso a CPI aprovou um requerimento solicitando mais informações sobre o assunto.

“Há em tramite uma investigação sobre falcatruas no Igeprev mas está claro que tem um mandado de segurança na tentativa de paralisar e não deixar ter a investigação”, disse o deputado José Roberto Forzani. O mandado de segurança foi protocolado no mês de novembro.