Saúde

Foto: Divulgação

A secretaria Estadual de Saúde – Sesau recebeu denuncias relatando episódios em que familiares de pacientes internados no Hospital Geral de Palmas (HGP) foram induzidos a realizar depósitos em conta de estelionatários e investiga os casos. A Secretaria apura o vazamento de informações de pacientes do sistema eletrônico de internação e possíveis envolvidos.

“O Governo do Estado e a Secretaria de Estado da Saúde reafirmam que nenhum tipo de atendimento na rede pública de saúde do Tocantins ou do país será cobrado, e que casos semelhantes a este já ocorreram em outros estados brasileiros com punições severas para os responsáveis”, informou a pasta.

Veja a íntegra da nota da Sesau sobre o assunto:

Nota à Imprensa

Depois de denúncias relatando episódios em que familiares de pacientes internados no Hospital Geral de Palmas (HGP) foram induzidos a realizar depósitos em conta de estelionatários, a Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) vem a público esclarecer que todos os procedimentos realizados no sistema público de saúde e em clínicas conveniadas ao Sistema Único de Saúde (SUS) são gratuitos.

A Sesau esclarece ainda que as supostas ligações de terceiros confirmando dados de pacientes e solicitando pagamento para que procedimentos cirúrgicos, exames ou medicamentos e insumos sejam fornecidos são ilegais e devem ser denunciadas às autoridades policiais e à Ouvidoria da Sesau pelo telefone 162.

A Secretaria já recebeu denúncias que estão sob investigação para apurar o vazamento de informações de pacientes do sistema eletrônico de internação e possíveis envolvidos. Os Assistentes Sociais do Hospital estão orientando os pacientes e familiares a denunciar qualquer tentativa de cobranças indevidas e o Secretário da Saúde, Samuel Bonilha, solicita que os responsáveis pelos demais hospitais do Estado fiquem atentos para que esta situação não ocorra.

O Governo do Estado e a Secretaria de Estado da Saúde reafirmam que nenhum tipo de atendimento na rede pública de saúde do Tocantins ou do país será cobrado, e que casos semelhantes a este já ocorreram em outros estados brasileiros com punições severas para os responsáveis.