Estado

Foto: Frederick Borges

A festa mais esperada pelos brasileiros está chegando, o Carnaval é pura diversão, e para quem quer aproveitar a folia do rei Momo se prevenindo das doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) e Aids, o Governo do Estado lançou a campanha “Se tem festa, tem que ter camisinha” e distribuiu para os 139 municípios dois milhões de unidades de preservativos e sete mil kits para realização de teste rápido para HIV.

A campanha de prevenção neste carnaval será feita de forma combinada, com o conceito “camisinha + teste + medicamento”, reforçando a importância dos jovens se precaverem. Além da distribuição de preservativos durante o período de carnaval, também serão feitos testes rápidos para HIV – o que possibilita o diagnóstico precoce e encaminhamento para tratamento imediato, aumentando a qualidade de vida do paciente.

A gerente estadual de DST, Aids e Hepatites Virais da Sesau, Sâmia Chabo, conta que a distribuição de insumos foi feita de maneira diferente. “Neste ano, houve uma mudança: ao invés de o município vir buscar os insumos de prevenção, que inclui a camisinha feminina, a camisinha masculina de 52 mm e 49 mm e também o gel lubrificante, nós disponibilizamos aos municípios, através de caminhão-baú, a quantidade que dê para eles façam a prevenção de todo o ano”, explica.

Também foram distribuídos folhetos informativos sobre como se prevenir das DSTs e Aids, camisetas, adesivos, VT destinado para redes sociais e cinco perfis elaborados pelo Ministério da Saúde no Tinder e Hornet, onde os usuários podem tirar dúvidas sobre como se prevenir. São parceiros dessa ação, juntamente com Sesau, a Superintendência de Esporte e Juventude, Polícia Militar, Departamento Estadual de Trânsito (Detran/TO) e Secretaria da Educação (Seduc).

Sobre a doença

A Aids é uma doença que ataca o sistema imunológico devido à destruição dos glóbulos brancos. O vírus HIV pode ser transmitido pelo sangue, esperma e secreção vaginal, pelo leite materno, ou transfusão de sangue contaminado. O portador do HIV, mesmo sem apresentar os sintomas da Aids, pode transmitir o vírus, por isso, a importância do uso de preservativo em todas as relações sexuais.

Apesar dos grandes avanços em relação ao tratamento e qualidade de vida dos portadores do vírus, um dos maiores problemas que envolvem a AIDS continua sendo a falta de diagnóstico precoce. Para fazer o teste, a pessoa pode procurar um Serviço de Atendimento Especializado (SAE) ou o médico na unidade básica de saúde mais próxima da sua casa. O tratamento é oferecido gratuitamente, através de medicação e acompanhamento multiprofissional.

Testes

Com a ampliação da testagem do HIV, cerca de 6,4 milhões de testes rápidos foram distribuídos em 2014. O crescimento da assistência às pessoas com HIV e Aids e o incentivo ao diagnóstico precoce fazem parte das estratégias do Ministério da Saúde no cumprimento da meta “90-90-90”, que corresponde a 90% de pessoas testadas, 90% tratadas e 90% com carga viral indetectável até 2020. As metas foram adotadas pelo Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (Unaids). (Secom-TO)