Polí­tica

Foto: Divulgação

A CPI do Carf, presidida pelo senador Ataídes Oliveira (PSDB/TO), acertou, nessa terça-feira (26) um trabalho conjunto com o Ministério Público Federal na investigação do esquema de sonegação fiscal e fraudes nos julgamentos do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais, do Ministério da Fazenda. Esse foi o resultado de reunião realizada entre o senador Ataídes e o procurador Frederico Paiva, um dos condutores da Operação Zelotes. Também participaram do encontro, no gabinete do senador, o procurador regional José Alfredo e a relatora da CPI, senadora Vanessa Grazziotin.

“O Ministério Público já nos trouxe informações importantes para balizar o início dos trabalhos da CPI. Vamos também fazer uma parceria com a Polícia Federal e a Receita Federal para aprofundar a apuração de todos os desvios e de todas as responsabilidades nesse esquema escandaloso de corrupção”, resumiu o senador Ataídes após a reunião. O presidente da CPI chamou atenção, mais uma vez, para o valor bilionário dos prejuízos decorrentes da corrupção no Carf. A Polícia Federal já comprovou o desvio de mais de R$ 6 bilhões, mas estima que o prejuízo pode superar os R$ 19 bilhões.

O procurador Frederico Paiva também ressaltou a importância da parceria com a CPI do Carf: “será um trabalho de via dupla”. Na opinião de Frederico Paiva, o Senado pode ajudar a buscar provas para responsabilizar os envolvidos nas denúncias de sonegação fiscal e corrupção. Pode, além disso, apresentar sugestões importantes para reestruturar o Carf, órgão responsável pelo julgamento de recursos de autuações fiscais.