Polí­cia

Foto: Divulgação

O acusado pelo estupro e assassinato de Irene Barroso Costa, 40 anos de idade, no Aureny III no dia 12 do mês passado, ainda não foi preso. Segundo informou ao Conexão Tocantins na manhã desta segunda-feira, 13, o delegado responsável pelo caso, João Sérgio Kenupp, não há novidades e nem pistas do acusado pelo crime. “Ninguém sabe informações, não temos nome, não temos nada. Não sei de onde que é, pra onde que foi”, disse.

Segundo o delegado, as pessoas que deviam ser ouvidas, entre elas, familiares da vítima, já foram ouvidas. “Todos que tinha que ouvir, ouvi!”, frisou.

Irene Barroso Costa, de 40 de idade, foi estuprada em uma construção abandonada no setor Aureny III e após o estupro foi assassinada com 18 facadas. A mulher chegou a ser socorrida pelo Serviço de Atendimento Móvel (Samu), mas não resistiu aos ferimentos e morreu a caminho do hospital. O acusado chegou a ser visto mas fugiu. Um retrato falado do acusado foi elaborado e divulgado nas redes sociais para ajudar na investigação. O caso repercutiu, inclusive, entre os vereadores de Palmas que pediram providências. Uma manifestação por moradores, amigos e parentes da vítima foi realizada no setor.

Casal encontrado morto na Serra do Carmo  

O delegado também é o responsável por investigar o caso do casal encontrado morto na Serra do Carmo, em Palmas, no dia 25 de junho. De acordo com informações repassadas ao Conexão Tocantins pelo delegado Kenupp, o caso também não avançou muito. 

Segundo Kenupp, por ser mês de férias, os trabalhos investigativos tendem a ser mais lentos. O delegado informou que após 15 dias, foi despachado hoje, segunda-feira, 13, o pedido de escuta telefônica das vítimas. “Daqui a um mês começo a investigar. Sim, porque foram 15 dias para despachar o pedido e vai levar mais uma semana pra falar com o juiz. Todo mundo de férias”, informou.

Após denúncia anônima, o casal, Tiago Evangelista Apolidório, de 28 anos e Sabrina Nunes da Silva, de 20 anos, foram encontrados mortos e com os rostos desfigurados na Serra. Tiago, estava amarrado e de bruços, tinha uma perfuração de tiro nas costas e um afundamento no crânio. O corpo de Sabrina foi encontrado a dez metros do local onde estava o corpo de Tiago.