Estado

Foto: Divulgação

O Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado do Tocantins (Sinduscon-TO) manifesta-se contra o anúncio da proposta do senador pelo Tocantins Ataídes Oliveira (PSDB) apresentada ao ministro da Fazenda, Joaquim Levy, que objetiva cobrir o rombo de R$ 31 bilhões previsto para o orçamento do governo federal em 2016 a partir da retenção de 30% dos recursos do Sistema S, do qual fazem parte o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) e o Serviço Social da Indústria (Sesi). 

Com base nesta insatisfação, o presidente do Sinduscon-TO, Bartolomé Alba Garcia, divulgou uma Nota Oficial de Repúdio na qual chama a decisão de descabida e mal pensada.

Confira a íntegra da nota:

Nós, do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado do Tocantins (Sinduscon-TO), repudiamos a proposta de cortes de recursos do Sistema S apresentada ao governo federal, pois, tal medida acarretará perdas irreparáveis para o futuro do País na medida em que forem encerrados cursos profissionalizantes e de treinamentos para aqueles que atuam na área da indústria.

Cremos que a proposta seja uma iniciativa descabida e mal pensada que vai contra as necessidades da indústria brasileira, se apropriando de recursos que são arrecadados pelas indústrias e revertidos para formar, treinar e aperfeiçoar mão de obra qualificada para as mesmas.

A indústria da construção civil do Tocantins é um segmento que utiliza constantemente os programas do Sistema S e está muito preocupado com os rumos que podem vir a ser tomados pelo governo federal. Por isto, mostramos, neste momento, nossos totais apoio ao Sistema S e repúdio às medidas que estão sendo propostas.