Polí­tica

Foto: Divulgação

Para conter os efeitos climáticos catastróficos resultantes do aquecimento global e colaborar com ações concretas que contribuam para a preservação ambiental do planeta e, consequentemente, do Tocantins, o governador Marcelo Miranda e sua comitiva estão participando da 21ª Conferência do Clima (COP-21), em Paris. O objetivo do evento é discutir propostas e ações alinhadas com a necessidade de reduzir os impactos das mudanças climáticas, limitando o aumento de temperatura no final do século a 2°C em relação aos níveis pré-industriais.

De acordo com o governador, os resultados da missão estão sendo positivos. “Temos conseguido debater ideias e propostas, e buscar investimentos que resultem na redução do aquecimento global e consequente melhoria nas condições climáticas”, pontuou.

Protocolo de Intenções

O governador Marcelo Miranda vem, desde então, cumprindo uma extensa agenda de compromissos que visa, não apenas apresentar as propostas que o Estado se compromete a realizar para conter o aquecimento global, mas também buscar recursos para financiar projetos nas áreas do meio ambiente que reduzam o desmatamento e beneficiem comunidades rurais. Nesse sentido, um importante passo foi dado quando o governador assinou um Protocolo de Intenções com o grupo China Green na última segunda-feira, 7.

Com esta parceria, o Tocantins dará um importante passo para dimensionar seus ativos que poderão ser convertidos em investimentos nos serviços ambientais. O acordo firmado estabelece uma parceria público-privada com vistas a desenvolver projetos de conservação ambiental, energias renováveis e alternativas de produção sustentável.

De acordo com o governador Marcelo Miranda, a parceria tem grande importância e é pioneira. “O Grupo China Green possui amplo conhecimento em quantificar carbono e experiência no gerenciamento de projetos em larga escala. Além disso, esta é uma parceria pioneira, visto que é a primeira vez que o grupo irá investir no bioma Cerrado. Essas ações tendem a levar o Estado a conseguir a certificação que precisa para acessar os recursos disponíveis", disse.

Amazônia Legal

Já em encontro realizado com o Ministério do Meio Ambiente, Marcelo Miranda se uniu aos governadores que integram a região da Amazônia Legal e debateram estratégias e ações que possam contribuir com as questões climáticas do planeta e com desenvolvimento de projetos que possam trazer investimentos para o Estado e melhoria na qualidade de vida da população.

Na ocasião, a ministra Izabella Teixeira fez um diagnóstico da questão ambiental no Brasil e afirmou que o país pode despontar como um polo de investimentos internacionais em diversas áreas, conseguindo recursos para financiar projetos de cunho sustentáveis. 

Compromissos Assumidos

Durante encontro dos chefes dos Executivos estaduais integrantes do grupo de Governadores para o Clima e Florestas (GCF) com o governador da Califórnia, Estados Unidos, Jerry Brown Jr., que ocorreu na terça-feira, 8, em Paris, Marcelo Miranda apresentou as propostas assumidas pelo Estado do Tocantins no anexo do MOU Under 2, que é um Memorando de Entendimento, para este fim que foi assinado pelo governo estadual em evento recente em Milão, na Itália.

Dentre as propostas que o governador apresentou, estão a diversificação da Matriz Energética do Estado; a redução dos efeitos críticos de seca prolongada na região sudeste do Estado, por meio do projeto Barraginhas; além da criação de unidades de proteção, unidades de conservação e incentivo e a implantação da política de Pagamentos por Serviços Ambientais (PSA).

O GCF é uma iniciativa conjunta de Estados e Províncias dos EUA (Califórnia e Illinois), Brasil (Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Mato Grosso e Tocantins), Indonésia (Aceh, Papua, Kalimantan do Leste, Kalimantan do Oeste, Kalimantan Central e Papua do Oeste), Nigéria (Cross RiverState) e México (Campeche e Chiapas), criado com o objetivo de implementar mecanismos de incentivo para a redução de emissões de gases de efeito estufa, do desmatamento e da degradação florestal (REDD+) entre seus estados participantes.

Projeto Barraginhas

O Projeto Barraginhas atende 22 municípios, em uma área total de 39.536 km². A ação é coordenada pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semarh) e tem como objetivo reduzir os efeitos da seca prolongada naquela região, com a execução de obras nos municípios inseridos diretamente nas áreas impactadas pela escassez de água, para acumulação de água da chuva, para conter as enxurradas, erosões e assoreamento dos corpos d’águas, bem como recarregar o lençol freático, e a médio e longo prazo perenizar os pequenos rios e ribeirões das sub-bacias. Com o Projeto Barraginhas, serão construídas 3.564 mil barragens.

Durante a COP-21, a titular da Semarh, Meire Carreira, ministrou uma palestra onde explanou sobre as estratégias do projeto.

Aquecimento Global

O aquecimento global é uma grande preocupação de todo o planeta, e o Tocantins já sente os seus efeitos de várias formas, seja na seca que se apresenta na região sudeste do Estado ou nos efeitos do clima seco, intenso calor e longos períodos de estiagem, que como consequência trazem a extinção de espécies animais e a piora da qualidade de vida da população.

Responsável pelo aumento das temperaturas médias do planeta ao longo dos últimos anos, o aquecimento global ocorre devido às práticas humanas realizadas de maneira não sustentáveis. A principal causa desse problema climático que afeta todo o planeta é a intensificação do efeito estufa, fenômeno natural responsável pela manutenção do calor na Terra e que vem apresentando uma maior intensidade em razão da poluição do ar.

Com o aquecimento global, fenômenos cíclicos e anomalias climáticas vêm se tornando cada vez mais frequentes, tais como o El Niño, que, entre outras consequências, trazem severos períodos de seca em diversas regiões do planeta.