Campo

Foto: Manoel Junior

O Tocantins conta atualmente com cerca de 160 mil hectares de eucalipto, sendo que boa parte deste plantio se encontra em fase de corte e sem perspectiva de destinação comercial. Com objetivo de apoiar os produtores de eucalipto do Tocantins, no quesito comercialização, criando alternativas para o escoamento da produção das florestas implantadas, além de conhecer as principais demandas dos produtores, foi realizada, na manhã desta quarta-feira, 30, um reunião na Secretaria do Desenvolvimento da Agricultura e Pecuária (Seagro), com representantes do setor.

De acordo com o gerente de Agroenergia e Florestas da Seagro, Carlos Manuel Carvalho Carreira, a reunião é também uma forma de unir esforços para encontrar as melhores soluções para os entraves da comercialização. “Estamos buscando estreitar o diálogo, entre a Secretaria e os atores do setor de florestas plantadas visando eliminar os gargalos que dificultam o aproveitamento da matéria prima local”.

Na reunião também foram discutidas as alternativas diversificadas de transformação e agregação de valor ao produto, como por exemplo: biomassa, carvão vegetal, indústria moveleira, termoelétricas, serraria, construção civil, pallets, dentre outras, bem como suas respectivas viabilidades.

Outro assunto em pauta foram os entraves junto às instituições públicas e reguladoras: ambientais, fiscais, sanitárias, dentre outras, no sentido de dirimir dificuldades de competitividade para a cadeia produtiva dentro do Estado. E ainda, como proporcionar o retorno do capital investido na implantação da floresta e evitar a inadimplência junto às instituições financiadoras.

Participaram da reunião além do gerente, o engenheiro agrônomo, Álvaro Soares de Oliveira, empresário e consultor do segmento de eucalipto, que atua em diversas regiões do estado dando assistência a produtores. O diretor de Políticas para Agricultura e Agronegócio da Seagro, José Américo Rocha Vasconcelos e o engenheiro florestal da Seagro, Fernando Dorta Mendes de Souza.