Polí­tica

Foto: Divulgação

O senador Ataídes Oliveira, presidente do PSDB/TO, discordou da liberação de novos empréstimos para estados e municípios, em projetos analisados nesta terça-feira, 5, na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado. “Não vai ser aumentando o endividamento que vamos resolver o problema dos caixas estaduais e municipais. A obrigação de todo governo é equilibrar as contas públicas e cortar despesas, quando necessário”, disse o senador.

Ataídes citou o caso do Tocantins, onde, em apenas 26 anos, segundo ele, a dívida já bateu na casa dos R$ 5 bilhões. “Hoje mais de 30% da arrecadação do Estado é destinada tão somente ao pagamento dos juros dessa dívida, comprometendo novos investimentos e a aplicação de recursos em áreas básicas, como saúde e segurança”, afirmou.

Novo modelo de gestão

Se o Senado continuar aprovando a contração de novas dívidas, a crise fiscal vivida hoje por quase todos os entes federados tende a se agravar cada vez mais, na opinião do senador tocantinense: “Como vai ser daqui a dez, 20, 50 anos? Alguém vai ter que pagar essa dívida algum dia. Vão dar conta?”

O grande problema, segundo Ataídes, é que a grande maioria dos governadores não está preocupada com um projeto de Estado, mas com um projeto de poder. “Para se manter no poder eles evitam cortar despesas, concedem sucessivos reajustes ao funcionalismo público. Tem de cortar na carne, tem que aplicar um modelo de gestão rigoroso, capaz de equilibrar as contas públicas”, acrescentou, lembrando, ainda, que são mais de 20 mil cargos comissionados no Tocantins, um número excessivo, que deveria ser enxugado.