Polí­cia

Foto: Divulgação

O programa Fantástico, da TV Rede Globo, mostrou nesse domingo, 11 de setembro, reportagem especial repercutindo casos de crianças e adolescentes vítimas de violência sexual. Entre os acusados estava o ex-senador tocantinense Nezinho Alencar, que responde em liberdade pela acusação de estupro de duas meninas, uma de seis e outra de nove anos de idade.

À reportagem do Fantástico, Nezinho disse que querem o incriminar. “Fui senador da República, tive uma representatividade no Estado de homem renomado, agora querem me incriminar, estou sendo julgado pelo que represento. Se eu não fosse ninguém, isso não estava no Fantástico, não estaria em lugar nenhum”, afirmou o ex-senador.

O pai das crianças, vaqueiro em uma das fazendas de Nezinho, é quem acusa o ex-senador de estupro. Ao Fantástico, o pai das duas meninas disse temer pela vida e ter se arrependido de ter realizado denúncia contra Nezinho por falta de justiça. “Arrependi. Que não tem justiça. Quem está preso é eu, cara!”, disse.

O vaqueiro disse que viu o ex-senador molestando suas filhas. “Sentou lá debaixo do pé de manga. Aí começou a abusar das meninas e eu olhando de dentro do quarto, da janela, entendeu”, disse o pai. Questionado sobre sua reação ao ver o que estava acontecendo, o vaqueiro disse ao Fantástico. “A minha reação? Peguei a espingarda, botei no rumo dele, sem ele perceber, né? Que eu tava dentro de casa. Puxei o gatilho da espingarda, pensei: ou eu mato ou não mato? Pensei alguma coisa. Aí, baixei a espingarda. Vou deixar quieto. Aí fui pensar em comprar um telefone para poder aí pegar ele”, disse o pai das crianças.

O vaqueiro, segundo reportagem, vendeu as galinhas que tinha para comprar um celular e assim, fez o flagrante que levou o ex-senador à prisão. A reportagem mostra o vídeo em que Nezinho estaria molestando as duas meninas. 

Ao Fantástico, o ex-senador desconversou. "Eu fui vítima de uma armadilha. Aquelas crianças estavam torpedeando, pisando, passando a mão em mim, me agarrando e eu extremamente desacordado, não vi absolutamente nada", foi o que contou a repórter do Fantástico.  

Nezinho Alencar responde em liberdade. O Ministério Público Estadual do Tocantins recorreu de decisão do juiz em Colmeia/TO, Ricardo Gagliard, que revogou prisão cautelar do ex-senador. Confira reportagem