Educação

Foto: Divulgação Segundo o estudante, o apoio da professora Rosana Marcia de Souza foi fundamental para a classificação no Programa Segundo o estudante, o apoio da professora Rosana Marcia de Souza foi fundamental para a classificação no Programa

Guilherme Gandara da Fonseca, 17 anos, foi o estudante tocantinense selecionado para representar o Estado no Programa Jovem Embaixador 2017. Ele e outros 49 alunos de todo o País farão uma viagem de intercâmbio aos Estados Unidos em janeiro do próximo ano. Ele é aluno do Colégio Estadual Lavandeira, do município de Lavandeira, localizado na região Sudeste do Estado. 

Ele estuda a 3ª série do ensino médio e é membro do grêmio estudantil da escola. Guilherme relata que desde que soube do programa buscou se preparar para chegar ao resultado que agora comemora. “Não consigo mensurar a alegria que estou sentindo. Quando me inscrevi pensei que seria possível, mas parecia uma realidade tão distante para um aluno de uma cidade do interior disputando com alunos dos maiores municípios do Estado. Eu acreditei no meu potencial, recebi apoio da minha família, da escola, dos amigos e consegui ser o representante do meu estado no Jovem Embaixador”, conta emocionado.    

Junto com os demais integrantes do grêmio do Colégio Estadual Lavandeira, Guilherme desenvolve ações voltadas para a comunidade escolar e local como a arrecadação de fundos para cestas básicas, doação de brinquedos, competições esportivas, eventos culturais, dentre outros. “São pequenas ações, mas que têm um grande impacto na vida das pessoas beneficiadas”, enfatiza. A participação de atividades de voluntariado é um dos critérios necessários para a seleção no Programa. 

Ter fluência na língua inglesa também é um dos quesitos que garantem a participação no Jovem Embaixador e apesar de ter um bom nível de conhecimento nesta língua, Guilherme contou com o apoio da unidade de ensino onde estuda para alcançar o grau desejável. “Nunca tive a oportunidade de fazer um curso de inglês, mas aprendi muito na escola. Para as seletivas tive um grande apoio da direção da escola e principalmente da Rosana Marcia, minha professora de língua inglesa e portuguesa, que nos incentiva a estudar enquanto nos divertimos, com músicas, internet e outras formas”, revela.  

Sobre a expectativa para a viagem, Guilherme diz que espera adquirir novos conhecimentos que contribuirão para o crescimento pessoal e acadêmico. “Aproveitarei cada segundo dessa oportunidade que será inesquecível”, planeja.

Intercâmbio

A viagem de intercâmbio acontece de 14 de janeiro a 17 de fevereiro de 2017. Durante três semanas, os alunos passarão pela capital dos EUA, Whashington, DC e depois seguirão em pequenos grupos para outras cidades, onde ficarão hospedados em casas de famílias voluntárias. Eles participarão ainda de reuniões com autoridades do governo Americano e líderes comunitários, visitarão escolas e projetos sociais, além de participar de atividades de voluntariado. Por onde passarem, os estudantes brasileiros farão uma apresentação relatando diversos aspectos do Brasil. 

Após o retorno, os jovens embaixadores apresentarão planos de ação na área de voluntariado e terão a missão de implementar as atividades nas comunidades onde vivem. 

Participação do Tocantins

Neste ano, o Tocantins registrou um aumento no número de inscritos no programa. No total, 185 alunos tocantinenses se inscreveram nesta edição. De acordo com a técnica da gerência de Programas e Projetos da Seduc, Márcia Ribeiro, que coordena o programa no Tocantins, a ampliação de candidatos em 2016 se deve à intensa mobilização realizada pela pasta, que “realiza uma série de ações de divulgação do programa nas escolas, a fim de incentivar a participação dos estudantes.”

O programa

O programa, idealizado pela Embaixada Americana, é destinado aos alunos da rede pública, com excelente desempenho escolar e domínio da língua inglesa. De 2005 a 2015 mais de 2.500 alunos do Tocantins se inscreveram no programa e 11 jovens já representaram o Estado.

No cronograma de atividades da viagem, que acontece em janeiro, os alunos passam a primeira semana na capital dos EUA, Washington, onde visitam escolas, projetos sociais e participam de oficinas de liderança. Em seguida, são divididos em subgrupos e viajam para estados dos EUA e são hospedados por uma família americana. Lá eles assistem às aulas em escolas do Ensino Médio, participam de atividades voluntárias e fazem apresentações sobre o Brasil.