Esporte

Foto: Ises de Oliveira

A equipe anfitriã, Palmas Judô Clube (PJC), se consagrou bicampeã da Copa PJC, realizada neste último sábado, 24, no ginásio do Colégio Ulbra, em Palmas/TO. A segunda edição do evento foi válida pela quarta etapa do Campeonato Tocantinense de Judô, sendo a única interestadual no estado na temporada 2017, na qual a PJC segue sem derrotas. De um total de 11 equipes participantes, compuseram o pódio da competição a PJC, campeã com 25 ouros, 18 pratas e 9 bronzes; o Sesc, vice-campeã [12; 7; 5]; o Cemil Bombeiros, em terceiro lugar [11; 7; 9]; a Associação Mazzili, do Maranhão, quarta colocada [11; 3; 2]; e a Kodokan/Paraíso, em quinto [10; 4; 11].

A II Copa PJC contou com inscritos de seis estados, mas vieram para a competição, além das equipes tocantinenses, representantes do Goiás, do Maranhão e do Pará. Também participaram do evento o presidente da Confederação Brasileira de Judô (CBJ), Sílvio Acácio Borges e o Sensei Paulo Duarte, que ministrou uma palestra e um curso de aperfeiçoamento técnico para os atletas da Federação de Judô do Estado do Tocantins (Fejet).

Para o presidente da Fejet, Georgton Pacheco, esta é a maior competição do calendário tocantinense. “A Copa Palmas Judô Clube já se firma como a nossa maior etapa no Tocantinense, tanto por ser interestadual, envolvendo equipes de federações da região, quanto por conseguir trazer grandes personalidades do Judô para perto dos nossos judocas. Estou muito satisfeito com o que está sendo realizado”, afirmou o Sensei Ton, faixa preta 5º Dan.

Aprovação da CBJ

Em vinda inédita ao Tocantins, o presidente da CBJ, Sílvio Borges, se disse impressionado com a qualidade do evento. “Tem algum tempo que eu queria visitar o Judô do Tocantins e saio daqui com uma impressão muito positiva. Na semana passada, eu abri uma copa internacional; já agora, pude abrir este evento tão organizado e importante quanto o outro. O crescimento dos campeonatos estaduais, principalmente os que promovem a interação entre diversos estados, é fundamental para nos manter no alto do ranking mundial de Judô. Estão todos de parabéns aqui”, ressaltou o Kodansha faixa coral 7º Dan e árbitro FIJ A.

No caminho certo

Considerado um dos maiores formadores de atletas de alto-rendimento do mundo, tendo revelado o campeão olímpico Rogério Sampaio, por exemplo, Paulo Duarte, Kodansha faixa coral 6º Dan, também foi só elogios aos tocantinenses. “Eu sou muito grato ao Tocantins. Esta é a terceira vez que venho e em todas eu fui muito bem recebido. Na vinda de agora, nós fizemos três atividades conjuntas: a palestra [sexta-feira, 23], a minha observação da competição [sábado, 24] e o treinamento técnico [domingo, 25], e nestes três dias eu vi muita organização, professores interessados e atletas com bom nível técnico. Sem dúvida, o estado está no caminho certo na aplicação do que propõe o Judô, tanto na área educacional quanto na competitiva”, disse o Sensei.

O retorno da Ulbra

Um cenário importante na história do Judô do Tocantins, onde ele, essencialmente, foi iniciado, o Colégio Ulbra passou por alguns anos de ostracismo, problema este sanado a partir da parceria que a entidade de ensino estabeleceu com o Dojô PJC, segundo o próprio presidente do colégio, Joel Müller. “É muito simbólico para a Ulbra, em ano de comemoração de 25 anos da instituição, voltarmos a configurar no cenário não só estadual ou regional, mas nacional do Judô. Todos sabemos da história de força que a modalidade construiu aqui, nesta unidade em Palmas, e ficamos extremamente felizes com o resgate disto. Agradecemos a equipe Palmas Judô Clube, nas pessoas dos Senseis Celso [Galdino] e Hilton [Oliveira], por este resgate e pelo trabalho de excelência que estão realizando. Que Deus abençoe a todos”, disse o diretor.

Missão cumprida

Para o líder da PJC, Celso Galdino, faixa preta de 5º Dan, o sucesso do evento traz uma grande sensação de dever cumprido, mas ele ainda deseja mais. “Nós cumprimos bem a nossa missão de realizar um final de semana grandioso, envolvendo quase 400 judocas em todas as atividades; da palestra às competições, do Festival para as crianças ao treinamento técnico. Estamos bem felizes, mas queremos mais: vamos seguir nos aprimorando para tornar a Copa PJC uma referência em toda a região Norte do Brasil”, garantiu o Sensei Celso.