Polí­cia

Foto: Reprodução/TV Anhanguera Conforme o delegado Pedro Ivo, a prisão de Marla tem como objetivo esclarecer se ela teve participação no crime Conforme o delegado Pedro Ivo, a prisão de Marla tem como objetivo esclarecer se ela teve participação no crime

Policiais Civis da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), de Palmas, comandados pelo delegado Pedro Ivo Costa Miranda efetuaram, no final da tarde desta última quarta-feira, 17, a prisão de Marla Cristina Barbosa dos Santos, de 42 anos de idade.

A mulher é ex-namorada do médico Álvaro Ferreira da Silva, que é considerado o principal suspeito de ter matado a professora Danielle Cristina Lustosa Grohs, cujo corpo foi localizado em sua residência no dia 18 de dezembro de 2017 e foi capturada, mediante cumprimento a mandado de prisão temporária de 30 dias, quando estava próxima à residência de sua mãe, na Quadra 403 Sul, em Palmas/TO.

Conforme o delegado Pedro Ivo, a prisão de Marla tem como objetivo esclarecer se ela teve participação no crime, tendo em vista que a mulher viajou com o principal suspeito, na manhã do dia 18/12, com destino a Morro de São Paulo/BA.

“Como não se tinha notícia da mesma, desde então, nem no trabalho nem no endereço conhecido pela polícia e, estando o suspeito foragido à época do pedido de prisão, cogitou-se a possibilidade de Marla ter participado e/ou saber de detalhes que ajudem no esclarecimento dos fatos”, ressaltou o delegado.

Ainda segundo o delegado, o médico alega que rompeu o relacionamento que mantinha com a ex-namorada, no final do mês de novembro, mas comprou passagens aéreas para viajar com a ex-namorada, três dias depois de celebrar um contrato de união estável com a vítima Danielle Cristina.

“Ela esteve presente durante a audiência de custódia a qual Álvaro Ferreira foi submetido, dois dias antes da morte da vítima, o buscou após o mesmo sair da Casa de Prisão Provisória de Palmas, no domingo, 17 de dezembro e viajou com ele, no dia em que o corpo da professora Danielle foi encontrado, por isso precisamos dirimir algumas dúvidas que restam quanto a esses fatos”, disse o delegado.

Após ser presa, Marla Cristina foi conduzida à sede da DHPP e, após os procedimentos legais cabíveis, foi recolhido à Unidade Prisional Feminina de Palmas, onde permanecerá à disposição do Poder Judiciário. Ela deverá ser ouvida pelo delegado Pedro Ivo, nesta quinta-feira, 18.