Cultura

Foto: Emerson Silva

O projeto de exposição fotográfica Lagoa da Pedra e a Roda de São Gonçalo será apresentado entre os dias 07 a 12 de outubro na Fundação Cultural do Estado. De lá ela segue para todos os sete campi da UFT. A exposição foi inspirada no livro: “A Roda de São Gonçalo na Comunidade Quilombola da Lagoa da Pedra em Arraias”, fruto de um trabalho de pesquisa do Mestrado em Ciências do Ambiente da Universidade Federal do Tocantins, que foi premiado no 1º Prêmio Nacional de Expressões Culturais Afrobrasileiras no início deste ano e ganhou um patrocínio para executá-la.

A exposição é mais uma das atividades da Campanha Unidiversidade, da Pró-Reitoria de Extensão, Cultura e Assuntos Comunitários da UFT, que tem como objetivo valorizar e celebrar as características multiculturais da instituição. Com o mote “Todos estão aqui na UFT”, a iniciativa visa promover a convivência e a interação entre todos esses grupos - fortalecendo, a partir dessa troca de experiências, o respeito às diferenças e a efervescência de ideias dentro da Instituição.

Exposição - Quem visitar a exposição vai conferir 30 quadros, 3 totens que vão expor os selos e os cartões-postais que também fazem parte da mesma, 1 quebra-cabeça gigante e interativo, fotolivros, além de uma palestra acerca do trabalho de pesquisa que culminou com a exposição e uma oficina sobre fotografia.

O projeto da exposição foi desenvolvido pelo repórter fotográfico Emerson Silva, com co-autoria e curadoria do fotojornalista Manoel Júnior e pesquisas e textos do jornalista, educador, teólogo e mestre em Ciências do Ambiente, Wolfgang Teske. O objetivo da mesma é valorizar e preservar suas origens, rituais e a manifestação religiosa conhecida como Roda de São Gonçalo: ritual empregado em pagamento a alguma graça alcançada ou concedida, por meio de uma promessa a São Gonçalo.

Pesquisa - O trabalho de pesquisa que deu origem ao projeto de exposição fotográfica é intitulado: “Lagoa da Pedra e Roda de São Gonçalo”, e foi realizado entre 2008 e 2009, pelo hoje, mestre Wolfgang Teske, sob a orientação do professor José Ramiro La Madrid Marón.

Agora, em parceria com o repórter fotográfico Emerson Silva e o fotojornalista Manoel Júnior, o objeto de estudo que acompanhou todas as manifestações culturais da comunidade quilombola Lagoa da Pedra no município de Arraias, foi transformado em exposição, fotolivro, cartões postais e selos.

“A nossa intenção é interagir com a população de cada região onde passarmos com a exposição. Vamos convidar todos para participar, assistir a palestra, ver a exposição e fazer a oficina. Dessa forma, pretendemos motivar as pessoas a documentarem a expressão cultural de sua região”, explicou Teske.

Fonte: Assessoria de Imprensa/ Fundação Cultural