Polí­tica

Foto: Koró Rocha

Em nota encaminhada na tarde desta sexta-feira, 14, o ex-secretário estadual da Segurança Pública e suplente de senador, João Costa Ribeiro Filho, confirmou sua saída do PSDB e filiação a uma nova legenda: o Partido da Pátria Livre (PPL). Além de sua filiação, o partido ainda o lançou como pré-candidato à Prefeitura de Palmas nas eleições municipais de 2012.

O ex-secretário criticou o atual modelo eleitoral frisando que ele “estimula episódios e patologias, como o clientelismo, o patrimonialismo e a corrupção”.

Já em tom de discurso eleitoral, João Costa reiterou a necessidade de mudança nesse cenário, frisando que bens de valor público tem sido usados em detrimento de fatores privados. “para realizar objetivos próprios de mudança de classe social ou financeira, inclusive com o envolvimento promíscuo com interesses econômicos”.

Além disso, o ex-secretário ainda questionou a capacidade de governabilidade e solução de problemas das gestões estaduais até o momento. “Desculpas cínicas são dadas a todo momento. A hipocrisia reina, toma conta e preenche os espaços. Enquanto isso, a desonestidade e a corrupção andam a passos largos e com rapidez”, disse no documento.

Citando os maiores geradores de polêmicas deste primeiro ano da nova administração, que foram as contratações de empresas sem processo licitatório, por conta dos já derrubados decretos de calamidade e de emergência na saúde e nas estradas, João Costa frisou que “a corrupção transita livremente neste convívio inadequado entre o público e o privado, na busca pela indicação de cargos na administração direta ou nas empresas estatais, para obtenção de proveitos particulares e/ou recursos para campanhas eleitorais”.

Ao final de seu comunicado, o ex-secretário colocou o que será o norteador de sua possível campanha eleitoral, caso consiga a vaga de candidato do PPL, a qual concorre com o atual presidente regional da sigla, Abraão Lima. “No próximo ano, o joio será separado do trigo, a honestidade da corrupção, o bem do mal, o certo do errado. E é o que espero”, concluiu.