Polí­cia

Foto: Divulgação

Os policiais da Casa Militar do Tocantins estão participando do Estágio de Segurança e Proteção de Autoridades, que está sendo realizado no auditório do QCG – Quartel do Comando Geral – QCG desde essa quarta-feira (21) até o meio dia de sábado (24). Ao todo são 35 vagas, sendo cinco disponibilizadas para a Polícia Militar.

O estágio é ministrado pelo tenente coronel Francisco Geraldo Pereira e pelo sargento Francísio Nobre de Jesus, ambos pertencentes à Casa Militar do estado de Goiás.

O objetivo é capacitar os oficiais e praças a exercerem atividades de segurança e proteção de autoridades, com a padronização das ações, levando sempre em conta o elevado nível de lealdade, qualidade e o mais alto grau de profissionalismo na proteção do sérviço.

Estágio

De acordo o artigo do primeiro tenente de Infantaria Renan Figueiredo Sampaio dos Santos -- do Rio de Janeiro, todo encarregado de segurança pessoal deve estar preparado para chegar e sair com a autoridade na sua residência e no seu local de trabalho. Protegê-lo enquanto no local de trabalho. Ter os cuidados nos deslocamentos. Saber as melhores rotas de acesso e fuga. Hospitais, postos policiais ou aquartelamentos militares que possam proporcionar auxílio numa emergência. Contar com cobertura aérea. Saber como proceder no clube, restaurante, casa de praia ou ainda num evento público de grandes proporções ou no elevador.

Dentre as disciplinas de um estágio é estudado sobre como aplicar as técnicas de organização, formações de uma escolta a pé e motorizada, abordando ainda aspectos de segurança de instalações, tratamento com a imprensa, aparições em público, varredura de ambientes dentre outras.

Ainda segundo o artigo, as ações de segurança são fundamentais para proteger a vida das autoridades e seus familiares. Independente da complexidade do evento e da quantidade de autoridades presentes, é possível estabelecer um plano seguro e suas variáveis a partir de um planejamento tático bem elaborado.

Através do mapeamento dos riscos, alternativas de proteção ao dignitário, qualidade no treinamento das equipes, aquisição de equipamentos confiáveis, mobilização de efetivos de apoio e, principalmente a confiança da autoridade nas ações desenvolvidas para sua proteção, é possível comprovar a relevância do serviço de segurança (diz o artigo). (Ascom/PMTO)