Polí­tica

Foto: Divulgação

Convidada a representar as mulheres do Partido Democrático Trabalhista (PDT), a vice-prefeita de Palmas, Edna Agnolin, compôs mesa de honra que conduziu, na Câmara dos Deputados, sessão em homenagem ao ex-presidente da sigla, Leonel Brizola. A solenidade, que contou também com presença do deputado federal Angelo Agnolin (PDT), foi aberta na manhã desta terça-feira, 24, pela vice-presidente da Casa, deputada Rose de Freitas (PMDB/ES) e reuniu militantes, deputados, senadores do PDT e líderes de outras legendas.

Principal expoente político do partido, Brizola completaria 90 anos em janeiro deste ano. “Brizola se foi, mas deixou um grande legado. A lembrança de um homem firme em suas palavras, reto em sua conduta e, principalmente, honesto em suas ações. Resta-nos, como trabalhistas, honrar a história desse guerreiro, apaixonado, polêmico e idealista, que nos inspira até hoje,” afirmou a vice-prefeita.

Edna lembrou que a educação em tempo integral sempre foi uma bandeira defendida pelo pedetista. “Brizola era um visionário. Ele defendia a escola de tempo integral como um projeto capaz de mudar a vida das pessoas. E em Palmas - cidade que tenho orgulho de representar - o ensino integral tem dado exemplo ao Brasil,” exortou a vice-prefeita. Edna ilustrou que em Palmas mais de 7.400 alunos estão matriculados em 14 escolas de tempo integral, “com a qualidade e a modernidade que Brizola tanto sonhava,” disse.

Outra marca forte de Leonel Brizola, enumerou Edna, é o apoio ao trabalhador. “Em Palmas, a força do trabalhismo está voltada às oportunidades. Lá, o SINE municipal vem batendo recordes de inserção no mercado de trabalho, mostrando que o PDT de Brizola está fazendo sua parte,” comentou Edna.

Ao fazer uso da tribuna, o deputado federal Angelo Agnolin (PDT) afirmou que pertenceu à geração Brizola. “Confesso a vocês que quando me lembro do Brizola, volto à infância. Primeiro porque sou cria das “brizoletas” (Escolas criadas por Brizola), Depois, porque fui testemunha ocular das mais vibrantes transformações políticas e sociais que Brizola imprimiu em vida”, enumerou.

Agnolin lembrou o êxito de Brizola quando governador do Rio Grande do Sul, de se mobilizar nos porões do Palácio Piratini (sede do governo gaúcho), em Porto Alegre, e de conclamar o apoio do povo em favor da posse de João Goulart na Presidência da República. “Quando tinha 08 anos eu ouvi pela primeira vez o Brizola. Ele falava na Rede da Legalidade pelos microfones da Rádio Guaíba pedindo ao povo que lutasse pela manutenção constitucional e que desse posse a João Goulart” finalizou.

Brizola

Ex-governador do Rio Grande do Sul, onde iniciou a sua carreira política, Brizola nasceu no dia 22 de janeiro de 1922 no povoado de Cruzinha (Passo Fundo/RS). Com a deposição do presidente João Goulart pelos militares, em 1964, Leonel Brizola foi obrigado a se exilar no Uruguai. Somente voltou ao Brasil em 1979, com a Lei da Anistia. Depois de perder a legenda do PTB, Brizola fundou o PDT, partido pelo qual foi eleito governador do Rio de Janeiro por dois mandatos. Brizola morreu aos 82 anos no dia 21 de junho de 2004.

Presenças

Fizeram parte da cerimônia, o presidente nacional licenciado do PDT, Carlos Lupi, os senadores, Cristovam Buarque, Acir Gurgacz e Pedro Taques e alunos do Centro de Atenção Integral à Criança (CAIC) Juscelino Kubitschek de Brasília. (Assessoria de Imprensa)